O verbo modal ‘poder’ no espanhol peninsular falado: um estudo de diferentes modalidades

Natália Rinaldi

Resumo


Este trabalho tem por objetivo analisar o verbo modal ‘poder’ enquanto meio de expressão de diferentes modalidades no espanhol peninsular falado. Dentro de uma perspectiva funcionalista da linguagem, na qual se considera o contexto real de comunicação e na qual a pragmática tem primazia sobre a semântica e esta sobre a sintaxe, Hengeveld (2004) faz uma distinção entre dois parâmetros relevantes para o estudo da modalidade: alvo de avaliação e domínio semântico. Além desses dois elementos de análise, foram selecionados as características do sujeito do verbo modal no enunciado produzido e o modo e tempo verbal em que tal verbo aparece. A análise confirma a polissemia do modal e a necessidade de investigar o contexto em que a sentença ocorre.


Palavras-chave


verbo ‘poder’; funcionalismo; modalidade; espanhol peninsular

Texto completo:

PDF

Referências


BRUNELLI, A. F.; GASPARINI-BASTOS, S. D. O comportamento do verbo modal poder no discurso de autoajuda: uma investigação no português e no espanhol. Estudos Linguísticos, v. 1, n. 1, p. 60-70, 2011.

CERVONI, J. A enunciação. São Paulo: Ática, 1989.

CORACINI, M. J. Um fazer persuasivo: o discurso subjetivo da ciência. São Paulo: Educ; Campinas: Pontes, 1991.

HEINE, B. Agent oriented vs. epistemic modality: some observations on German modals. In: BYBEE, J.; FLEISCHMAN, S. (Ed.). Modality in grammar and discourse. Amsterdam: John Benjamins, 1995. p. 17-53.

HENGEVELD, K. Illocution, mood and modality. In: BOOIJ, G.; LEHMANN, C.; MUGDAN, J. (Ed.) Morphology: a handbook on inflection and word formation. v. 2. Berlin: Mouton de Gruyter, 2004. p. 1190-1201.

KLINGE, A. The impact of context on modal meaning in English and Danish. Nordic Journal of Linguistics, v. 19, p. 35-34, 1996.

KOCH, I. G. V. Argumentação e linguagem. In: KOCH, I. G. V. Argumentação e linguagem. São Paulo: Cortez, 1993. p. 74-88.

MIRA MATEUS, M, H. et al. Gramática da língua portuguesa: elementos para a descrição da estrutura, funcionamento e uso do português actual. Coimbra: Livraria Almedina, 1983.

NEVES, M. H. M. A modalidade. In: KOCH, I. G. V. (Org.). Gramática do português falado 6: Desenvolvimentos. Campinas: Editora da Unicamp; Fapesp, 1996. p. 163-200.

NEVES, M. H. M. A polissemia dos verbos modais. Ou: falando de ambiguidades. Alfa, v. 44,

p. 115-145, 2000.

PEZATTI, E.G. O funcionalismo em linguística. In: BENTES, A. C.; MUSSALIM, F. (Org.). Introdução à linguística: fundamentos epistemológicos, v.3. São Paulo: Cortez, 2004. p. 165-173.

QUIRK, R. et al. A comprehensive grammar of the English language. 7. ed. London: Longman, 1985.

CÓRPUS DO ESPANHOL FALADO

MORENO FERNÁNDEZ, F.; CESTERO MANCERA, A. M.; MOLINA MARTOS, I.; PAREDES GARCÍA, F. La lengua hablada en Alcalá de Henares. I: Hablantes de instrucción superior. Alcalá de Henares: Servicio de Publicaciones de la Universidad de Alcalá, 2002.

MORENO FERNÁNDEZ, F.; CESTERO MANCERA, A. M.; MOLINA MARTOS, I.; PAREDES GARCÍA, F. La lengua hablada en Alcalá de Henares. II: Hablantes de instrucción media. Alcalá de Henares: Servicio de Publicaciones de la Universidad de Alcalá, 2004.

MOYA CORRAL, J. A. (Coord.). El español hablado en Granada. Corpus oral para su estudio sociolingüístico. I: Nivel de estudios alto. Granada: Editorial Universidad de Granada, 2007.

MOYA CORRAL, J. A. (Coord.) El español hablado en Granada. Corpus oral para su estudio sociolingüístico. II Nivel de estudios medio. Granada: Editorial Universidad de Granada, 2008.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2015 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)