Padrões de variação lexical na região Sul a partir dos dados do Projeto Atlas Linguístico do Brasil

Valter Pereira Romano, Vanderci de Andrade Aguilera

Resumo


O trabalho discute a distribuição diatópica de variantes lexicais para a questão 156 como se chamam as coisinhas redondas de vidro com que os meninos gostam de brincar?, proposta pelo Questionário Semântico-Lexical do Projeto Atlas Linguístico do Brasil. O corpus utilizado refere-se ao que foi coletado de 168 informantes pela equipe do Projeto em 42 cidades sulinas. Os resultados obtidos são comparados com cartas linguísticas do ALERS – Atlas Linguístico-Etnográfico da Região Sul – (ALTENHOFEN; KLASSMANN, 2011) e evidenciam comportamentos linguísticos diferenciados em cada um dos estados. Dessa forma, a pesquisa ratifica, no nível lexical, as hipóteses de Görski (2012) e de Altenhofen (2005) acerca da não homogeneidade de padrões linguísticos no Sul do Brasil.


Palavras-chave


Variação lexical; Projeto ALiB; Região Sul

Texto completo:

PDF

Referências


AGUILERA, V. de A. Atlas Linguístico do Paraná. 1990. 426 f. Tese (Doutorado em Letras) – Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho, Assis, 1990.

ALTENHOFEN, C. Áreas linguísticas do português falado no sul do Brasil: um balanço das fotografias geolinguísticas do ALERS. In: AGUILERA, V. de A. (Org.). A geolinguística no Brasil: trilhas seguidas, caminhos a percorrer. Londrina: Eduel, 2005. p.177-208.

ALTENHOFEN, C.; KLASSMANN, M. S. (Org.) Atlas linguístico-etnográfico da Região sul do Brasil: cartas semântico-lexicais. Porto Alegre: Editora UFGRS; Florianópolis: Editora UFSC, 2011.

COMITÊ NACIONAL DO PROJETO ALIB. Questionários 2001. Londrina: Eduel, 2001.

GÖRSKI, E. Fenômenos variáveis na região sul do Brasil: aspectos de comportamento sociolinguístico diferenciado nas três capitais. Estudos Linguísticos, São Paulo, v. 41, n. 2, p. 806-817, maio/ago. 2012. Disponível em: Acesso em: 2 maio 2013.

KOCH, W. O povoamento do território e a formação de áreas linguísticas. In: GÄRTNER, E.; HUNDT, C.; SCHÖNBERGER, A. (Ed.) Estudos de geolinguística do português americano. Frankfurt am Maim: TFM, 2000. p. 55-69.

LOREGIAN-PENKAL, L. (Re)análise da referência de segunda pessoa na fala da Região Sul. 2004. 260 f. Tese (Doutorado em Linguística) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba. 2004.

MARGOTTI, F. W.; ROCHA, P. G. da. Cerro e sanga: empréstimos lexicais no português de contato com o espanhol. In: ENCONTRO DO CELSUL, 8., 2008, Porto Alegre. Anais... Porto Alegre: UFRGS, 2008. Disponível em: . Acesso em: 9 maio 2013.

MARGOTTI, F. W.; VIEIRA, H. G. Características de uma área lexical heterogênea na região Sul do Brasil. In: VANDERSEN, P. (Org.) Variação, mudança e contato linguístico no português da região sul. Pelotas: EDUCAT, 2006. p. 245-260.

MENON, O.; LOREGIAN-PENKAL, L. Variação no indivíduo e na comunidade: tu/você no sul do Brasil. In: VANDRESEN, P. (Org.). Variação e mudança no português falado da região sul. Pelotas, RS: Educat, 2002. p. 147-188.

MERCER, J. L. da V. Áreas fonéticas do Paraná. 1992. 161 f. Tese (Admissão como Docente Titular) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 1992.

MONARETTO, V. N. de O. O apagamento da vibrante pós-vocálica nas capitais do sul do Brasil. Letras de Hoje, Porto Alegre, v. 35, n. 1, p. 275-284, mar. 2000.

MONARETTO, V. N. Descrição da vibrante no português do sul do Brasil. In: BISOL, L.; COLLIS-CHONN, G. (Org.). Português do sul do Brasil: variação fonológica. Porto Alegre: EdiPUCRS, 2009. p. 141-151.

MONGUILHOTT, I. de O. A variação na vibrante florianopolitana: um estudo sócio-geolinguístico. Revista da ABRALIN, Curitiba, v. 6, n. 1, p. 147-169, jan./jun. 2007.

PINHO, A. J. de; MARGOTTI, F. W. Aspectos de variação lexical no sul do Brasil: o demônio varia no sul? Interdisciplinar – Revista de Estudos em Língua e Literatura, Itabaiana,v. 9, n. 9, p. 51-66, ago./dez. 2009. Disponível em: Acesso em: 8 maio 2013.

ROST, C. A. OLHA e VEJA: multifuncionalidade e variação. 2002. 151 f. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2002.

VIEIRA, H. G. Traços de bilinguismo no léxico catarinense: um estudo pluridimensional. In: ENCONTRO DO CELSUL, 6., 2004, Florianópolis. Anais... Florianópolis: UFSC, 2004. Disponível em: . Acesso em: 7 maio 2013.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2015 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)