Rato e política: a crítica explícita em capas da Veja

Ilana da Silva Rebello Viegas

Resumo


Este trabalho tem por objetivo apresentar uma leitura crítica do gênero capa de revista, analisando como a Veja, por meio da imagem e da palavra, legitima e veicula seu discurso ideológico e constrói sentidos para atrair o público consumidor. Para tanto, analisam-se três capas em que há a imagem de um político com cara de rato, baseando-se, sobretudo, na teoria Semiolinguística de Análise do Discurso – Charaudeau (2006, 2001, 1995), articulando esses postulados aos pressupostos da Linguística Textual (MARCUSCHI, 2008; KOCH, 2007; DELL’ISOLA, 2001; dentre outros). Para a análise do texto não verbal, busca-se respaldo em noções da Semiótica Peirceana (PEIRCE, 2010; SANTAELLA, 2012). Os resultados obtidos nessa análise podem ser objeto de aplicação pedagógica nas aulas de leitura e produção textual, podendo, também, ser utilizados em outras disciplinas, pelo viés da interdisciplinaridade.


Palavras-chave


Semiolinguística; Semiótica Peirceana; capas de revista

Texto completo:

PDF

Referências


BALTAR, M. Autoridades eletivas: o lugar do documentário em meio ao universo audiovisual. Revista Fronteiras – estudos midiáticos, v. 6, n. 1, p. 149-167, jan./jun. 2004.

CHARAUDEAU, P. Discurso das mídias. São Paulo: Contexto, 2006.

CHARAUDEAU, P. Uma teoria dos sujeitos da linguagem. In: MARI, H. et al. (Org.). Análise do discurso: fundamentos e práticas. Belo Horizonte: Núcleo de Análise do Discurso – FALE/UFMG, 2001. p. 23-37.

CHARAUDEAU, P. Análise do discurso: controvérsias e perspectivas. In: MARI, H. et al. (Org.). Fundamentos e dimensões da Análise do Discurso. Belo Horizonte: Carol Borges – Núcleo de Análise do Discurso, Fale/UFMG, 1999. p. 27-43.

CHARAUDEAU, P. Une analyse sémiolinguistique du discours. Langages, n. 117, Les analyses du

discours en France, Paris, Larousse, mars 1995.

CHEVALIER, J.; GHEERBRANT, A. Dicionário de símbolos: mitos, sonhos, costumes, gestos, formas, figuras, cores, números. 26. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2012.

DELL’ISOLA, R. L. P. Leitura: inferências e contexto sociocultural. Belo Horizonte: Formato Editorial, 2001.

FERES, B. S. Leitura, fruição e ensino com os meninos de Ziraldo. Niterói: Editora UFF, 2011.

FERES, B. S. A escola “faz questão” de leitores autômatos ou autônomos? A atividade de leitura no Ensino Fundamental. Dissertação (Mestrado em Letras) – Universidade Federal Fluminense, Instituto de Letras, Niterói, 2003.

GUIMARÃES, Luciano. A cor como informação: a construção biofísica, linguística e cultural da simbologia das cores. 3. ed. São Paulo: Annablume, 2004.

HERNANDES, Nilton. A mídia e seus truques: o que jornal, revista, TV, rádio e internet fazem para captar e manter a atenção do público. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2012.

KOCH, I. G. V. O texto e a construção dos sentidos. 9. ed. São Paulo: Contexto, 2007.

MARCUSCHI, L. A. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

MEURER, J. L. Esboço de um modelo de produção de textos. In: MEURER, José Luiz; MOTTA-ROTH, Désirée (Org.). Parâmetros de textualização. Santa Maria: Editora da UFSM, 1997.

NEVES, I. C. B. et al. (Org.) Ler e escrever: compromisso de todas as áreas. 8. ed. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2007.

OBJETIVO. In: DICIONÁRIO escolar de língua portuguesa. Academia Brasileira de Letras. 2. ed. São Paulo: Companhia da Editora Nacional, 2008.

PEIRCE, C. S. Semiótica. 4. ed. São Paulo: Perspectiva, 2010.

REZENDE, L. A.; STRUCHINER, M. Uma proposta pedagógica para produção e utilização de materiais audiovisuais no Ensino de Ciências. Alexandria – Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, v. 2, p. 45-66, 2009.

SANTAELLA, L. Semiótica aplicada. São Paulo: Cengage Learning, 2012.

SCALZO, M. Jornalismo de revista. 4. ed. São Paulo: Contexto, 2011.

SEFFNER, F. Leitura e escrita na história. In: NEVES, Iara Conceição Bitencourt et al. (Org.) Ler e escrever: compromisso de todas as áreas. 8. ed. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2007.

WEBER, M. A objetividade do conhecimento nas ciências sociais. São Paulo: Ática, 1979.

WEBLIOGRAFIA CONSULTADA

A ANATOMIA DA CORRUPÇÃO. Revista Veja. São Paulo: Abril, 2011. Disponível em: < http://veja.abril.com.br/acervodigital/>. Acesso em: dez. 2012.

CORRUPTOS. Revista Veja. São Paulo: Abril, 2005. Disponível em: . Acesso em: dez. 2012.

POR QUE ELES NÃO FICAM PRESOS. Revista Veja. São Paulo: Abril, 2007. Disponível em: . Acesso em: dez. 2012.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2015 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)