Discurso e relações de consumo: considerações sobre a morte-mercadoria na publicidade funerária

Mercia Sylvianne Rodrigues Pimentel

Resumo


O presente estudo tem como finalidade compreender os efeitos de sentido provenientes do discurso sobre a morte na sociabilidade contemporânea a partir da análise de materialidades publicitárias postas em circulação por empresas do Grupo Parque das Flores, atualmente o maior conglomerado empresarial funerário de Maceió/AL. A Análise do Discurso (AD) pecheutiana é tomada como arcabouço teórico norteador, sendo também trazidos para a discussão a teoria marxista acerca da mercadoria e estudos provenientes das áreas de Publicidade e Propaganda. Após análise de enunciados como "Parta dessa para uma melhor", pôde-se depreender, dentre outras compreensões, que a morte na contemporaneidade assume discursivamente a função de mercadoria, sendo estimulado o consumo de produtos e serviços funerários e reproduzidas ideias dominantes oriundas da sociabilidade capitalista.    


Palavras-chave


discurso; morte-mercadoria; capitalismo.

Texto completo:

PDF

Referências


BALDINI, L. J. S. Discurso e cinismo. In: MARIANI, B.; MEDEIROS, V. (Org.). Discurso, arquivo e...: ideologia, inconsciente, memória, desejo, movimentos sociais, cinismo, corpo, witz, rede eletrônica, língua materna, poesia, cultura, mídia, educação, tempo, (homo)sexualidade. Rio de Janeiro: 7Letras/Faperj, 2012. p. 50-58.

BARBOSA, L. Sociedade de consumo. Rio de Janeiro: Zahar, 2004. 68 p.

CARROZZA, G. Publicidade: o consumo e sua língua. 2010. 164 p. Tese (Doutorado) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

CARVALHO, N. de. Publicidade: a linguagem da sedução. São Paulo: Ática, 1996. 75 p.

COSTA, L. C. A.; MELLO, L. I. A. História do Brasil. São Paulo: Scipione, 1996. 334 p.

FIGUEIREDO, C. Redação publicitária: sedução pela palavra. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2005. 138 p.

GAIA, R. A política da mídia e a mídia política. Maceió: Edufal, 2011. 228 p.

GOMES, N. D. Publicidade: comunicação persuasiva. Porto Alegre: Sulina, 2003. 237 p.

HAUG, W. F. Crítica da estética da mercadoria. São Paulo: Editora da UNESP, 1997. 210 p.

LAET, D. Maior cemitério público de Maceió tem covas improvisadas e ossos espalhados no chão. Disponível em: . Acesso em: 20 nov. 2014.

MALANGA, E. Publicidade: uma introdução. São Paulo: Atlas, 1979. 154 p.

MARX, K.; ENGELS, F. A ideologia alemã. Tradução de Frank Müller. São Paulo: Martin Claret, 2010. 150 p.

ORLANDI, E. Interpretação: autoria, leitura e efeitos do trabalho simbólico. Petrópolis: Vozes, 1996. 156 p.

ORTIZ, R. Mundialização e cultura. São Paulo: Brasiliense, 2006. 240 p.

PÊCHEUX, M. Análise automática do discurso (AAD69). In: GADET, F.; HAK, T. Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. Tradução de Jonas de A. Romualdo. 3. ed. Campinas: Editora da UNICAMP, 1997a. 320 p.

PÊCHEUX, M. Semântica e Discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Tradução de Eni Orlandi et al. Campinas: Editora da UNICAMP, 1997b. 317 p.

PÊCHEUX, M. Papel da memória. In: ACHARD, P. et al. Papel da memória. Campinas: Pontes, 2007. 71 p.

PÊCHEUX, M. O discurso: estrutura ou acontecimento. Campinas: Pontes, 2008. 68 p.

PÊCHEUX, M. Foi "propaganda" mesmo o que você disse? In: ORLANDI, E. (Org.). Análise de Discurso: Michel Pêcheux. Campinas: Pontes, 2011. 315 p.

RODRIGUES, J. C. Tabu da morte. 2. ed. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2011. 258 p.

SAMPAIO, D. Propaganda de A a Z: como usar a propaganda para construir marcas e empresas de sucesso. 5. ed. Rio de Janeiro: Campus, ABR, 1997. 285 p.

SANT’ANNA, A. et al. Propaganda: teoria, técnica e prática. 8. ed. São Paulo: Cengage Learning, 2011. 465 p.

SILVA, J. dos S. A Importância da investigação das tendências de comportamento em consumo para a propaganda, a comunicação e o marketing. In: INTERCOM – XXXII CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 32, Anais... Curitiba, p. 1-14, 4 a 7 set. 2009. Disponível em: . Acesso em: 10 dez. 2011.

SOUZA, T. C. de. Discurso e imagem: perspectivas de análise do não verbal. Ciberlegenda, Revista do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro, n. 1, jan. 1998. Disponível em: . Acesso em: 20 set. 2014.

VESTERGAARD, T.; SCHRØDER, K. A linguagem da propaganda. Tradução de João Alves dos Santos. São Paulo: Martins Fontes, 1988. 197 p.




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v45i3.619

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)