Relação língua e sociedade em foco: observando o vocativo “moço(a)” no português brasileiro, moçambicano e angolano

Sabrina Rodrigues Garcia Balsalobre

Resumo


Este estudo tem o objetivo de avaliar comparativamente os vocativos – elementos constitutivos do sistema de formas de tratamento – a partir dos usos da forma “moço(a)”. Três variedades da língua portuguesa estão em foco: a brasileira, a moçambicana e a angolana. Essa perspectiva comparativa parte da hipótese de que cada uma dessas variedades de língua reinterpreta essa forma em função de suas idiossincrasias nacionais. Em suma, o fenômeno linguístico dos vocativos é aqui privilegiado por se acreditar que ele represente um importante exemplo da relação entre uma escolha linguística e seu motivador social.


Palavras-chave


Sócio-pragmática; formas de tratamento; vocativos

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, Maria Teresa dos Santos, MERCER, Jose Luiz da Veiga. O tratamento em Curitiba: o pronome zero. Revista Ilha do Desterro.A Journal of English Language, Literatures in English and Cultural Studies, Florianópolis, n. 20, 1988. Disponível em . Acesso em: 21 mar. 2012.

BROWN, Roger; GILMAN, Albert. The pronouns of power and solidarity. In: GIGLIOLI, P. P. (Ed.) Language and social context:selected readings. England: Peguin Books, 1972 [1960].

CAUSSE-CATHCART, Mercedes. Mi vida, mi amor, mi corazón... formas de tratamiento en el habla de la ciudad de Santiago de Cuba. In: COUTO, Letícia Rebollo, LOPES, Célia Regina dos Santos. As Formas de Tratamento em Português e em Espanhol:variação, mudança e funções conversacionais. Niterói: Editora da UFF, 2011.

CENTRO DE ESTUDOS E INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA DE ANGOLA (CEIC). Relatório social de Angola (RSA) 2012.Universidade Católica de Angola (UCAN), Luanda, 2013.

DIAS, Hildizina. As desigualdades sociolinguísticas e o fracasso escolar: em direção a uma prática linguístico-escolar libertadora. Maputo: Promédia, 2002.

FIRMINO, Gregório. A questão linguística na África pós-colonial: o caso do português e das línguas autóctones em Moçambique. Texto editores: Maputo, 2006.

FIRMINO, Gregório. A nativização do português em Moçambique. In.: CARVALHO, Clara. CABRAL, João de Pina (Org.). A persistência da história: passado e contemporaneidade em África. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais, 2004.

FONSECA, Dagoberto José. Nas marolas do Atlântico: interpretações de Angola, da África, do Brasil e de Portugal. Relatório Científico de Pós-Doutorado apresentado ao Departamento de Ciências Sociais na Educação da Faculdade de Educação da Universidade de Campinas, Campinas, 2009.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo demográfico 2010. Resultados gerais da amostra. Rio de Janeiro, 2012. Disponível em: . Acesso em: 1 abr. 2014.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA.III Recenseamento geral da população e habitação 2007: indicadores sócio-demográficos: Resultados definitivos – Maputo Cidade. Maputo, 2010.

KERBRAT-ORECCHIONI, Catherine. Análise da conversação: princípios e métodos. São Paulo: Parábola, 2006.

KERBRAT-ORECCHIONI, Catherine. Modelos de variação intraculturais e interculturais: as formas de tratamento nominais em francês. In.: COUTO, Letícia Rebollo, LOPES, Célia Regina dos Santos. As Formas de Tratamento em Português e em Espanhol:variação, mudança e funções conversacionais. Niterói: Editora da UFF, 2011.

MUNDIN, Sônia Sandra de Moura. Formas de tratamento e vocativos no Rio de Janeiro. 1981. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

NETO, Muamba Garcia. Aproximação linguística e experiência comunicacional: o caso da escola de formação Garcia Neto. Luanda: Mayamba, 2012.

SAVEDRA, Mônica Maria Guimarães. Estudos e pesquisa em sociolinguística no contexto plurilíngue do Brasil. Revista da Anpoll, v. 1. n. 29, p. 219-23, 2010.

SILVA, Luiz Antônio da. O senhory você. Formas de tratamiento, cortesía y diversidad cultural en portugués. In.: COUTO, Letícia Rebollo, LOPES, Célia Regina dos Santos. As Formas de Tratamento em Português e em Espanhol:variação, mudança e funções conversacionais. Niterói: Editora da UFF, 2011.

VIDAL, Victoria Escandell. Cortesía, Fórmulas convencionales y estratégias indirectas. Revista Español de Lingüística, v. 25, n. 1, 1995, p. 31-66


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)