A disciplinarização letrada das línguas indígenas no Sul do Brasil: uma abordagem discursiva

Carlos Maroto Guerola

Resumo


O presente artigo busca visibilizar representações discursivas de acadêmicas/os guarani, kaingang e xokleng/laklãnõ a respeito da situação atual do ensino-aprendizagem de línguas indígenas nas escolas das suas comunidades. Através da identifi cação dos fi os dialógicos que ligam as práticas e discursos da educação escolar indígena bilíngue aos regimes metadiscursivos herdeiros da tradição da filologia europeia, à relevância que os processos de ensino-aprendizagem escolar de letramentos foram ganhando ao longo do desenvolvimento da industrialização capitalista no século XX no Brasil e à tradição grafocêntrica da política linguística, a análise de dados aponta para a disciplinarização letrada das línguas guarani, kaingang e xokleng/laklãnõ, isto é, a redução no espaço e no tempo das práticas sociodiscursivas escolares nessas línguas em torno de atividades escolares que focam quase exclusivamente na leitura e na escrita.  


Palavras-chave


Letramento; Política linguística; Escola indígena; Ensino-aprendizagem de línguas; Análise crítica do discurso

Texto completo:

PDF

Referências


BAKHTIN, M. Marxismo e filosofi a da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. 12. ed. São Paulo: Hucitec, 2006.

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

BAKHTIN, M. Questões de Literatura e de Estética: a teoria do romance. 5. ed. São Paulo: Hucitec, 2002.

BRASIL. Ministério da Justiça. Ministério da Educação. Portaria Interministerial MJ/MEC N. 559, de 16 de abril de 1991. In: MAGALHÃES, Edvard Dias (Org.). Legislação Indigenista Brasileira e normas correlatas. 3. ed. Brasília: Funai/CGDOC, 2005. p. 523-526.

BRITO, L. P. L. A sombra do caos: ensino de língua x tradição gramatical. Campinas, SP: Mercado de Letras; ALB, 2002.

CALVET, L. As políticas linguísticas. São Paulo: Parábola, IPOL, 2007.

CHOULIARAKI, L.; FAIRCLOUGH, N. Discourse in Late Modernity. Edinburgh: Edinburgh UP, 1999.

ERICKSON, F. Qualitative Methods. In: LINN, R.; ERICKSON, F. Quantitative Methods Qualitative Methods: A Project of the American Educational Research Association. Londres; Nova Iorque: Macmillan Publishing Company, 1990.

ERRINGTON, J. Colonial Linguistics. Annu. Rev. Anthropol., n. 30, p. 19-39, 2001.

FAIRCLOUGH, N. Analysing discourse: textual analysis for social research. London: Routledge, 2003.

FRANCHETTO, B. A guerra dos alfabetos: os povos indígenas na fronteira entre o oral e o escrito. Mana [online]. v. 14, n. 1, 2008, p. 31-59. Disponível em: . Acesso em: 29 set. 2015.

GARCÍA, O. Bilingual Education in the 21st Century: a global perspective. Malden, MA and Oxford: Basil/Blackwell, 2009.

GERALDI, J. W. (Org.). O texto na sala de aula: leitura e produção. 3. ed. Cascavel, PR: Assoeste, 1984.

GUEROLA, C. M. “Às vezes tem pessoas que não querem nem ouvir, que não dão direito de falar pro indígena”: a reconstrução intercultural dos direitos humanos linguísticos na escola Itaty da aldeia guarani do Morro dos Cavalos. Florianópolis, 2012. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis. Disponível em: . Acesso em: 29 set. 2015.

HEATH, S. B; STREET, B. On Ethnography: Approaches to Language and Literacy Research. New York: Teachers College Press, 2008.

MAGALHÃES, E. D (Org.). Legislação Indigenista Brasileira e normas correlatas. 3 ed. Brasília: FUNAI/CGDOC, 2005.

MAKONI, S.; PENNYCOOK, A. Disinventing and Reconstituting Languages. In: MAKONI, Sinfree; PENNYCOOK, Alastair (Eds.) Disinventing and Reconstituting Languages. Clevedon: Multilingual Matters, 2006. p. 1-41.

SANTOS, S. C. Educação e sociedades tribais. Porto Alegre, RS: Movimento, 1975.

SOARES, M. Português na escola - história de uma disciplina curricular. In: BAGNO, M. (Org.). Linguística da norma. São Paulo: Loyola, 2002. p. 155-177.

SOUSA SANTOS, B. Descolonizar el saber, reinventar el poder. Montevideu: Trilce, 2010.

TESTA, A. Q. Entre o canto e a caneta: oralidade, escrita e conhecimento entre os Guarani Mbya. Educação e Pesquisa. v. 34, n. 2, 2008, p. 291-307. Disponível em: . Acesso em: 29 set. 2015.

TESTA, A. Q. Palavra, sentido e memória: educação e escola nas lembranças dos Guarani Mbyá. São Paulo, 2007. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade de São Paulo, São Paulo. Disponível em: . Acesso em: 16 fev. 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)