Gestão do tempo e das aulas de Língua Portuguesa: um estudo de caso sobre a qualidade de oportunidades educacionais em escola de território vulnerável

Fernanda Marcucci, Claudia Lemos Vóvio

Resumo


Este trabalho faz parte de uma pesquisa em andamento “Interdependência Competitiva entre Escolas e Qualidade das Oportunidades Educacionais”, realizada por pesquisadores da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e do Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária (Cenpec). Visa compreender como são organizadas as aulas de Língua Portuguesa, propondo-se a observar a gestão do tempo (MARTINIC; VERGARA; HUEPE, 2013) e os objetos de ensino (SCHNEUWLY, 2009) privilegiados nas turmas do terceiro ano Ensino Fundamental de uma escola pública de São Paulo. A metodologia de cunho qualitativo teve como principal instrumento a observação das aulas de Língua Portuguesa, foram observadas quatro turmas do terceiro ano do Ensino Fundamental, correspondente ao final do ciclo de alfabetização, de uma escola situada em São Miguel Paulista (SP), considerado um território de alta vulnerabilidade social (ÉRNICA; BATISTA, 2012). A relevância científica deste trabalho localiza-se na análise das práticas pedagógicas; da interação entre alunos e professores, seus papéis e funções; de quais objetos de ensino (SCHNEUWLY, 2009) são privilegiados em detrimento de outros e, portanto, buscamos perceber se esses fatores são positivos ou não no aprendizado desta disciplina específica.  


Palavras-chave


Educação; Língua Portuguesa; Territórios Vulneráveis; Gestão do Tempo

Texto completo:

PDF

Referências


BARBOSA, M. L. de O. A qualidade da escola e as desigualdades raciais no Brasil. In: BELTRÃO, K. I. et al. Os mecanismos de discriminação racial nas escolas brasileiras. Rio de Janeiro: Ipea/Ford Foundation, 2005.

BATISTA, A. A. G. A aula de Português. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

BATISTA, A. A. G.; RIBEIRO, V. M. Cultura escrita no Brasil: modos e condições de inserção. Educação e Realidade, Porto Alegre, jul./dez. 2004. Disponível em: . Acesso em: 13 ago. 2014.

BERNSTEIN, B. Classes e pedagogia: visível e invisível. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 49, maio 1984. Disponível em . Acesso em: 23 set. 2014.

BONAMINO, A.; COSCARELLI, C.; FRANCO, C. Avaliação e letramento: concepções de aluno letrado subjacentes ao Saeb e ao Pisa. Dossiê: Letramento. Educação & Sociedade, Campinas, v. 23, n. 81, p. 91-113, dez. 2002. Disponível em: . Acesso em: 13 ago. 2014.

BOURDIEU, P. Efeitos de lugar. In: BOURDIEU, P. (Coord.). A miséria do mundo. Petrópolis: Vozes, 1997. p. 159-166.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Escala de desempenho em Língua Portuguesa na Prova Brasil e Saeb e Brasil, 2013. Disponível em: . Acesso em: 20 nov. 2014. BROOKE, N.; SOARES, J. F. Pesquisa em efi cácia escolar: origem e trajetórias. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2008.

CARVALHO-SILVA, H. H.; BATISTA, A. A. G. Esforços educativos de mães num território de alta vulnerabilidade social: um estudo de caso. Informes de Pesquisa, São Paulo: Cenpec, n. 6, 2012. Disponível em: . Acesso em: 10 ago. 2014.

ÉRNICA, M.; BATISTA, A. A. G. A escola, a metrópole e a vizinhança vulnerável. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 42, n. 146, p. 640-666, maio/ago. 2012.

KAZTMAN, R. Seducidos y abandonados: el aislamiento social de los pobres urbanos. Revista de la Cepal, n. 75, p. 171-189, dez. 2001.

KLEIMAN, A. B. (Org.) Os significados do letramento. São Paulo: Mercado de Letras, 1995.

MALOUTAS, T. Efeitos de vizinhança e desempenhos escolares. In: VAN ZANTEN, Agnès (Org.). Dicionário de educação. Petrópolis: Vozes, 2011. p. 288-291.

MARQUES, E. Redes sociais, segregação e pobreza. São Paulo: Editora Unesp, 2010.

MARTINIC, S.; VERGARA, C.; HUEPE, D. The use of time and interactions in the classroom: a case study in Chile. Pro-Posições, v. 24, n. 1, p. 123-135, 2013. ISSN 0103-7307.

MATÊNCIO, M. de L. M. Estudo da língua falada e aula de língua materna. Campinas: Mercado de Letras, 2001.

RIBEIRO, V. M. Justiça na escola e regulação institucional de redes de ensino do Estado de São Paulo. 2012. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

ROJO, R. H. R. Práticas de ensino em língua materna: Interação em sala de aula ou aula como cadeia enunciativa? In: KLEIMAN, A.; CAVALCANTE, A. (Org.) Linguística aplicada: duas faces e interfaces. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2007.

SANT’ANNA, M, J. O papel do território na confi guração das oportunidades educativas: efeito escola e efeito vizinhança. In: CERNEIRO, S. de S.; SANT’ANNA, M, J. Cidades, olhares, trajetórias. Rio de Janeiro: Garamond, 2009. p. 167-192.

SCHNEUWLY, B. L’objet enseigné. In: SCHNEUWLY, B.; DOLZ, J. (Org.). Des objets enseignés en classe de français: le travail de l’enseignant sur la rédaction de texts argumentatifs et sur la subordonnée relative. Rennes, FR: Presses Universitaires de Rennes, 2009. p. 17-28.

SOARES, J. F.; BROOKE, N. Pesquisa em efi cácia escolar: origem e trajetórias. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2008.

TORRES, H. G.; FERREIRA, M. P.; GOMES, S. Educação e segregação social: explorando as relações de vizinhança. In: MARQUES, E.; TORRES, H. G. (Org.). São Paulo: segregação, pobreza e desigualdade. São Paulo: Senac, 2005. p. 123-141.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)