A crise da representação e o contrato de veridicção no romance

José Luiz FIORIN

Resumo


Este trabalho tem o objetivo de mostrar que a chamada crise da representação deve ser analisada, dentro de uma teoria geral do discurso, como uma alteração do contrato veridictório que preside à elaboração do texto. Para isso, examina os contratos que regem a feitura dos romances, bem como as marcas textuais que permitem apreendê-los, para mostrar a mudança que se operou na literatura moderna, a substituição de um contrato objetivante por um contrato semiótico, o que significa que o romance moderno se apresenta como discurso e não como representação da realidade, o que lhe permite pôr em questão todas as verdades estabelecidas. A pós-modernidade parece trazer uma nova crise da representação e, por isso, ela requer um novo contrato semiótico, o metalingüístico, que é analisado em seus traços gerais.


Palavras-chave


Contrato objetivante. Contrato subjetivante. Contrato semiótico. Contrato metalingüístico. Contrato enunciativo.

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

 

Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.