A semântica operatória de "falso"

Albano Dalla Pria

Resumo


A lógica não leva em conta, na formalização dos seus raciocínios, a especificidade das línguas naturais. Aplicados à descrição de certas expressões das línguas, tais como ‘atestado de óbito falso’, os raciocínios da lógica são colocados em xeque. É implícito dos raciocínios lógicos o conceito aristotélico de “classe” ou de espaço fechado, ou se está dentro ou se está fora do espaço. Porque presume a significação construída, esse raciocínio impede a observação do termo atestado de óbito como um gesto de construção de significação. Através do método que é próprio da “Teoria das Operações Predicativas e Enunciativas” (CULIOLI, 1990, 1999a, 1999b), porque articula o material verbal (as línguas) com a prática do seu manuseio (atividade de linguagem) dentro de um espaço topológico ou de uma topologia de domínio aberto, propusemos observar a contribuição de FALSO para o gesto de construção de atestado de óbito. Por fim, concluímos que FALSO é marca da dúvida (modalidade) e do bloqueio (alteridade) à construção do termo atestado de óbito.

Palavras-chave


Adjetivo. Significação. Operações.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.21165/gel.v15i2.2066

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

 

Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.