Português Guineense e Português Europeu: um estudo preliminar sobre a percepção das suas diferenças entoacionais

Autores

Palavras-chave:

Entoação, Percepção, variedades de português, Português falado na Guiné-Bissau, Português Europeu

Resumo

A Guiné-Bissau é um país multiétnico e multilíngue em que o português é a língua oficial, embora não seja língua materna. Estudos desenvolvidos com base na Fonologia Prosódica e na Fonologia Entoacional sobre o português falado na Guiné-Bissau (PGB) apontam que, quanto à densidade tonal, ele afasta-se da variedade lisboeta (SEP) e aproxima-se de variedades ultramarinas, como o português brasileiro. Entretanto, novos dados do PGB mostram maior similaridade ao SEP quanto ao contorno entoacional: ambos apresentam platôs melódicos, porém SEP apresenta um platô contínuo, enquanto PGB, uma composição de pequenos platôs. Neste trabalho, apresentamos um teste de percepção piloto, verificando se PGB e SEP são de fato distintos, embora o SEP seja a norma-alvo. A tarefa de discriminação AX categorial foi realizada por brasileiros e portugueses, em que apenas o contorno entoacional de sentenças declarativas neutras do SEP e do PGB era apresentado. Os resultados mostram que brasileiros percebem mais a diferença entre SEP e PGB quando ouvem primeiro a entoação do SEP, indicando que um contorno seria melhor distinguido pela alternância entre tons do que pela quantidade de acentos tonais. Assim, o tipo de contorno entoacional parece uma pista mais robusta do que densidade tonal na diferenciação de variedades/línguas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabriela Braga, Universidade de São Paulo

Doutoranda no programa de Filologia e Língua Portuguesa do Departamendo de Letras Clássicas e Vernáculas (DLCV) da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da Universidade de São Paulo (USP), atuando na área de pesquisa de "Gramática do português e de línguas em contato".

Referências

BOERSMA, P.; WEENINK, D. Praat: doing phonetics by computer (Version 5.3.82) [Computer Program], 2014. Versão: 26 julho de 2014. Disponível em: http://www.praat.org.

BRAGA, G. Prosódia de línguas em contato: a gramática entoacional do guineense (kriol) e do português falado na Guiné-Bissau (título provisório). Tese de Doutorado. Em preparação.

BRAGA, G. Prosódia do português de São Tomé: o contorno entoacional das sentenças declarativas neutras. 2018. Dissertação (Mestrado em Filologia e Língua Portuguesa) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018.

BROOKS, G. E. Eurafricans in western Africa: Commerce, social status, gender, and religious observance from the sixteenth to the eighteenth century. Athens: Ohio University Press, 2003.

BULL, B. P. O crioulo da Guiné-Bissau: filosofia e sabedoria. Lisboa: Instituto de cultura e língua portuguesa, 1989.

CARREIRA, A. Os portugueses nos Rios de Guiné (1500–1900). Lisbon: Self-published, 1984.

CRUZ, M. Prosodic variation in European Portuguese: phrasing, intonation and rhythm in central-southern varieties. 2013. Tese (Doutorado em Linguística) – Universidade de Lisboa, Lisboa, 2013.

CRUZ, M.; FROTA, S. Rhythm in central-southern varieties of European Portuguese: production and perception. Textos Selecionados, XXIX Encontro Nacional da Associação Portuguesa de Linguística, Porto, APL, p. 214-230, 2014.

D’AZEVEDO, W. L. Some historical problems in the delineation of a Central West Atlantic region. Annals of the New York Academy of Sciences, n. 96, v. 2, p. 512-538, 1962.

EBERHARD, D. M.; SIMONS, G. F.; FENNIG, C. D. (ed.). Ethnologue: Languages of the World. Twenty-fourth edition. Dallas, Texas: SIL International, 2018. Disponível em: https://www.ethnologue.com/country/GW. Acesso em: 22 set. 2018.

FERNANDES, F. R. Tonal association in neutral and subject-narrow-focus sentences of Brazilian Portuguese: a comparison with European Portuguese. Journal of Portuguese Linguistics, n. 5-6, p. 91-115, 2007a.

FERNANDES, F. R. Ordem, focalização e preenchimento em português: sintaxe e prosódia. 2007b. Tese (Doutorado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, São Paulo, 2007b.

FROTA, S. The intonational phonology of European Portuguese. In: JUN, S.-A. (ed.). Prosodic Typology II. Oxford: Oxford University Press, 2014. p. 6-42.

FROTA, S. The phonological status of initial peaks in European Portuguese. Catalan Journal of Linguistics, v. 2, p. 133-152, 2003.

FROTA, S. Nuclear falls and rises in European Portuguese: a phonological analysis of declarative and question intonation. Probus. Special Issue on Intonation in Romance. edited by José-Ignacio Hualde, v. 14, n. 1, p. 113-146, 2002a.

FROTA, S. Tonal association and target alignment in European Portuguese nuclear falls. In: GUSSENHOVEN, C.; WARNER, N. (ed.). Laboratory Phonology, Berlin/Nova York: Mouton de Gruyter, v. 7, p. 387-418, 2002b.

FROTA, S. Prosody and focus in European Portuguese: phonological phrasing and intonation. New York: Garland Publishing, 2000.

FROTA, S.; CRUZ, M.; SVARTMAN, F.; COLLISCHONN, G.; FONSECA, A.; SERRA, C.; OLIVEIRA, P.; VIGÁRIO, M. Intonational variation in Portuguese: European and Brazilian varieties. In: FROTA, S.; PRIETO, P. (ed.). Intonation in Romance. New York: Oxford University, 2015. p. 235-283.

FROTA, S.; VIGÁRIO, M. Intonational Phrasing in two varieties of European Portuguese. In: RIAD, T.; GUSSENHOVEN, C. (ed.). v. 1. Tones and Tunes. Berlin: Mouton de Gruyter, 2007. p. 265-291.

FROTA, S.; VIGÁRIO, M. Aspectos de prosódia comparada: ritmo e entoação no PE e no PB. In: CASTRO, R. V.; BARBOSA, P. (org.). Actas do XV Encontro Nacional da Associação Portuguesa de Linguística. Coimbra: APL, 2000, v. 1, p. 533-555.

FROTA, S.; VIGÁRIO, M.; MARTINS, F. Language Discrimination and Rhythm Classes: Evidence from Portuguese. Speech Prosody Proceedings. Aix-en-Provence, p. 315-318, 2002a.

FROTA, S.; VIGÁRIO, M.; MARTINS, F. Discriminação entre línguas: evidência para classes rítmicas. In: GONÇALVES, A.; NUNES CORREIA, C. (ed.). Actas do XVII Encontro da APL. Lisboa: APL/Colibri, 2002b. p. 189-199.

GRØNNUM, N.; VIANA, M. do C. Aspects of European Portuguese Intonation, In: ICPhS 99. San Francisco, v. 3, 1997-2000, 1999.

HAWTHORNE, W. From Africa to Brazil: Culture, Identity and an Atlantic Slave Trade, 1600 to 1830. Cambridge: Cambridge University Press. 2010.

HAWTHORNE, W. Planting rice and harvesting slaves: Transformations along the Guinea-Bissau Coast, 1400-1900. Portsmouth, NH: Heinemann, 2003.

HAWTHORNE, W.; NAFAFÉ, J. L. The historical roots of multicultural unity along the Upper Guinea Coast and in Guinea-Bissau. Social Dynamics, v. 42, n. 1, p. 31-45. 2016. DOI: http://dx.doi.org/10.1080/02533952.2016.1164955

HORTON, R. Stateless societies in the history of West Africa. In: FESTUS, J.; AJAYI, A.; CROWDER, M. (ed.). v. 1. History of West Africa. London: Longman, 1985. p. 87-128.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA. RGPH. Terceiro Recenseamento Geral da População e Habitação – 2009. INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA: Guiné-Bissau. 2009.

JACOBS, Bt. Upper Guinea Creole: Evidence in favor of a Santiago birth. Journal of Pidgin and Creole Languages, v. 25, n. 2, p. 289–343, jan. 2010. DOI: https://doi.org/10.1075/jpcl.25.2.04jac

KIHM, A. Kriyol Syntax: The Portuguese-based creole language of Guinea-Bissau. Amsterdam: John Benjamins Publishing, 1994.

KNÖRR, J. Creolization in Atlantic West Africa: the example of Sierra Leone. In: LÜPKE, F. (ed.). Oxford Guide to the World’s Languages: Atlantic. Oxford: Oxford University Press, in press.

KNÖRR, J.; TRAJANO FILHO, W. Introduction. In: KNÖRR, J.; TRAJANO FILHO, W. (ed.). The powerful presence of the past: integration and conflict along the upper Guinea Coast. Leiden/Boston: Brill, 2010. p. 1-23.

KOHL, C. Creole language and identity in Guinea-Bissau: socio-antropological perspectives. In: KNÖRR, J.; TRAJANO FILHO, W. (ed.). Creolization an pidginization in contexts of postcolonial diversity: language, culture, identity. Boston: Brill, 2018. p. 158-177.

LADD, R. Intonational Phonology. 2. ed. Cambridge: Cambridge University Press, 2008.

LADD, R. Intonational Phonology. Cambridge: Cambridge University Press, 1996.

NESPOR, M.; VOGEL, I. Prosodic phonology: with a new foreword. Berlin-New York: Mouton de Gruyter, 2007.

NESPOR, M.; VOGEL, I. Prosodic phonology. Dordrecht: Foris: 1986.

PIERREHUMBERT, J. The phonology and phonetics of English intonation. 1980. Tese (PhD) – MIT, Cambridge, Mass., 1980.

SANTOS, V. G. dos. Entoação do contorno neutro do português de Guiné-Bissau: uma comparação com o português brasileiro. 2015. Dissertação (Mestrado em Filologia e Língua Portuguesa) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.

SANTOS, V. G. dos; BRAGA, G. Associação tonal em sentenças declarativas neutras do português de Bissau e de São Tomé. PAPIA, v. 27, n. 1, p. 7-32, 2017.

SANTOS, V. G. dos; FERNANDES-SVARTMAN, F. R. O padrão entoacional neutro do português de Guiné-Bissau: uma comparação preliminar com o português brasileiro. Estudos Linguísticos, São Paulo, v. 43, p. 48-63, 2014.

SELKIRK, E. O. Phonology and syntax: the relation between sound and structure. Cambridge: The M.I.T. Press, 1984.

SILVA HORTA, J. da. Evidence for a Luso-African identity in “Portuguese” accounts on “Guinea of Cape Verde” (Sixteenth-Seventeenth Centuries). History in Africa, n. 27, p. 99–130, 2000.

TENANI, L. E. Domínios prosódicos no português do Brasil: implicações para a prosódia e para a aplicação de processos fonológicos. 2002. Tese (Doutorado em Linguística) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2002.

TONELI, P. A palavra prosódica no português brasileiro. 2014. Tese (Doutorado em Linguística) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2014.

VIANA, M. do C. Para a síntese da entoação do Português. 1987. Dissertação para acesso à categoria de Investigador Auxiliar. Lisboa: CLUL-INIC, 1987.

VIGÁRIO, M. The prosodic word in European Portuguese. Berlin-New York: Mouton de Gruyter, 2003.

VIGÁRIO, M. Aspectos da prosódia do português europeu: estruturas com advérbio de exclusão e negação frásica. Braga: CEHUM, 1998.

VIGÁRIO, M.; FROTA, S. The intonation of Standard and Northern European Portuguese. Journal of Portuguese Linguistics. Special Issue on Portuguese Phonology edited by W. Leo Wetzels, v. 2, n. 2, p. 115-137, 2003.

Downloads

Publicado

28-12-2021

Como Citar

Braga, G., Frota, S., & Fernandes-Svartman, F. (2021). Português Guineense e Português Europeu: um estudo preliminar sobre a percepção das suas diferenças entoacionais. Revista Do GEL, 18(3), 70–94. Recuperado de https://revistas.gel.org.br/rg/article/view/3164

Edição

Seção

Edição Temática