Língua e construção da identidade nacional em estórias de Boaventura Cardoso e de Mia Couto

Everton Fernando Micheletti

Resumo


Este artigo visa a uma análise da língua como elemento formador da identidade nacional com sua problematização no contexto de países ex-coloniais, no caso de Angola e Moçambique, a partir da leitura de estórias dos escritores Boaventura Cardoso e Mia Couto. Tomam-se por base autores que se dedicaram às questões da “nação”, como Anderson e Hobsbawm, pesquisadores da língua portuguesa na África, como Perpétua Gonçalves, além de críticos da literatura africana “pós-colonial”. As discussões incidem no uso da língua portuguesa, língua do colonizador, na literatura e se é possível considerá-la como parte da identidade nacional juntamente com as línguas originais africanas.


Palavras-chave


Língua portuguesa; identidade nacional; literatura angolana; literatura moçambicana

Texto completo:

PDF

Referências


AGUALUSA, J. E. A língua portuguesa em Angola – língua materna versus língua madrasta, uma proposta de paz. Imaginário, São Paulo, v. 10, n. 10, p. 27-33, 2004-2005.

ANDERSON, B. Comunidades imaginadas: refl exões sobre a origem e a difusão do nacionalismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

ANGOLA. Instituto Nacional de Estatística. Constituição da República. 2010. Disponível em: . Acesso em: 26 abr. 2014.

ANGOLA. Instituto Nacional de Estatística. Angola em números – 2012. Disponível em: . Acesso em: 27 abr. 2014.

CANIATO, B. J. Língua Portuguesa e Línguas Crioulas nos Países Africanos. Via Atlântica, São Paulo n. 5, p. 132-138, out. 2002.

CARDOSO, B. O fogo da fala: (Exercícios de estilo). Lisboa: Edições 70, 1980.

CARDOSO, B. Dizanga dia Muenhu. São Paulo: Ática, 1982.

CARDOSO, B. A Morte do Velho Kipacaça. Luanda: União dos Escritores Angolanos, 1987.

CARDOSO, B. Entrevista. In: CHAVES, R. et al. (Org.). Boaventura Cardoso: a escrita em processo. São Paulo: Alameda/União dos Escritores Angolanos, 2005. p. 23-39. Entrevista concedida a Rita Chaves e Tania Macêdo.

CHAVES, R. A formação do romance angolano: entre intenções e gestos. São Paulo: Via Atlântica/Universidade de São Paulo, 1999.

COUTO, M. O fi o das missangas. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

COUTO, M. E se Obama fosse africano?: e outras interinvenções. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

COUTO, M. Estórias abensonhadas. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

COUTO, M.Vozes anoitecidas. São Paulo: Companhia das Letras, 2013a.

COUTO, M. Cada homem é uma raça. São Paulo: Companhia das Letras, 2013b

COUTO, M. Contos do nascer da Terra. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

CUESTA, P. V. Observações sobre o português de Moçambique. In: CONGRESO INTERNACIONAL DE LIN GÜÍSTICA E FILOLOXÍA ROMÁNICAS, 19., 1994, A Caruña. Actas... A Coruña: Fundación “Pedro Barrié de la Maza, Conde de Fenosa”, 1994. p. 631-647. GASPAR, L. et al. A Língua Portuguesa e o seu Ensino em Angola. Rio de Janeiro: Dialogarts, 2012.

GONÇALVES, P. Metodologia de recolha de dados. In: STROUD, C.; GONÇALVES, P. (Org.). Panorama do Português Oral de Maputo. Objectivos e Métodos. Maputo: INDE, 1997. p. 47-74. v. 1.

GONÇALVES, P. (Dados para a) história da língua portuguesa em Moçambique. Lisboa, PT: MNE, CVC- Instituto da Cooperação e da Língua, 2000a Disponível em: . Acesso em: 27 abr. 2014.

GONÇALVES, P. Para uma aproximação Língua-Literatura em português de Angola e Moçambique. Via Atlântica, São Paulo, n. 4, p. 212-223, out. 2000b.

GONÇALVES, P.; CHIMBUTANE, F. O papel das línguas bantu na génese do português de Moçambique: o comportamento sintáctico de constituintes locativos e direccionais. PAPIA: Revista Brasileira de Estudos Crioulos e Similares, São Paulo, v. 14, p. 1-29, 2004.

HOBSBAWM, E. J. Nações e nacionalismo desde 1780: programa, mito e realidade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2011.

LEITE, A. M. Oralidades & escritas pós-coloniais: estudos sobre literaturas africanas. Rio de Janeiro: Ed. UERJ, 2012.

LINDEGAARD, V. S. Moçambicanismos: um glossário com algumas imagens. Disponível em: . Acesso em: 04 abr. 2014.

MOÇAMBIQUE. Instituto Nacional de Estatística. Constituição da República. 2004. Disponível em: . Acesso em: 26 abr. 2014.

MOÇAMBIQUE. Censo/2007. Disponível em: . Acesso em: 27 abr. 2014.

NZAU, D. G. N. A Língua Portuguesa em Angola: um contributo para o estudo da sua nacionalização. 2011. Tese (Doutorado em Letras) – Universidade da Beira Interior, Covilhã, 2011.

ORLANDI, E. P. Processo de descolonização linguística: as representações da língua nacional. In: GALVES, C. et al. (Org.). África – Brasil: Caminhos da língua portuguesa. Campinas: Editora da Unicamp, 2009. p. 211-224.

SECCO, C. L. T. R. A alquimia do verbo e a reinvenção do sagrado. In: CHAVES, R. et al. (Org.). Boaventura Cardoso: a escrita em processo. São Paulo: Alameda/ União dos Escritores Angolanos, 2005. p. 107-126.

ZAMPARONI, V. D. Colonialismo, jornalismo, militância e apropriação da língua portuguesa em Moçambique nas décadas iniciais do século XX. In: GALVES, C. et al. (Org.). África – Brasil: caminhos da língua portuguesa. Campinas: Editora da Unicamp, 2009. p. 27-56.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)