Os pronomes "nós" e "a gente" no português falado em Rio Branco

Marinete Rodrigues da Silva, Roberto Gomes Camacho

Resumo


O objetivo deste trabalho é apresentar um estudo em tempo aparente da variação dos pronomes nós e a gente, na fala da comunidade rio-branquense no Acre, seguindo os pressupostos teóricos e metodológicos da teoria da variação e mudança linguística. O córpus foi constituído por 40 gravações, de fala natural, realizadas nos anos de 2011 e 2012. Para a seleção dos informantes, consideramos variáveis sociais como sexo, escolaridade e idade. A variável dependente, alternância entre nós e a gente, circunscrita à posição de sujeito, objeto e complemento, tem como fatores condicionadores de natureza interna a natureza da referência e a concordância verbal. A análise dos dados permitiu constatar que o sintagma nominal a gente parece já estar incorporado à gramática da comunidade rio-branquense, embora ainda esteja em concorrência com a variante nós. 


Palavras-chave


sociolinguística; teoria da variação; pronomes "a gente" e "nós"

Texto completo:

PDF

Referências


ALBÁN, M. del R.; FREITAS, J. Nós ou a gente? Estudos linguísticos e literários, Salvador: UFBA, n. 11, p. 75-89, 1991.

BENVENISTE, E. Problemas de linguística geral. São Paulo: Nacional, 1976.

BRUSTOLIN, A. K. B. da S. Itinerário do uso e variação de nós e a gente em textos escritos e orais de alunos do ensino fundamental da rede pública de Florianópolis. 2009. 245 f. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Centro de Comunicação e Expressão, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis. Disponível em: . Acesso em: 13 ago. 2013.

CÂMARA, J. M. Jr. Estrutura da Língua Portuguesa. 30. ed. Rio de Janeiro: Vozes, 1999.

CUNHA E CINTRA, L. Nova gramática do português contemporâneo. 2. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.

DIAS, A. E. da S. Syntaxe histórica portuguesa. 5. ed. Lisboa: Livraria Clássica Editora, 1970.

DUARTE, M. E. L. Do pronome nulo ao pronome pleno: a trajetória do sujeito no português do Brasil. In: ROBERTS, I.; KATO, M. (Org.). Português brasileiro. Uma viagem diacrônica. Campinas: Editora da UNICAMP, 1993. p. 107-128.

GUY, G. R.; ZILLIS, A. Sociolingüística quantitativa: Instrumental de análise. São Paulo: Parábola, 2007.

LABOV, W. O quadro social da mudança linguística. In: LABOV, W. Padrões Sociolinguísticos. Tradução de Marcos Bagno, Maria Marta Pereira Scherre e Caroline R. Cardoso. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

LOPES, C. R. S. Nós e a gente no português falado culto do Brasil. DELTA, v. 14, n. 2, p. 405-422, 1998.

_______. A inserção de ‘a gente’ no quadro pronominal do português. 1999. 174 f. Tese (Doutorado em Letras) – Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1999.

_______. A inserção de ‘a gente’ no quadro pronominal do português. Frankfurt am Maim, Madrid: Vervuert/Iberoamericana, v. 18, p. 174, 2003.

MENON, O. S. P. Uso do pronome sujeito de primeira pessoa do português do Brasil. Anais do II ELFE – Encontro Nacional sobre Língua Falada e Escrita, Maceió, 1997. p. 396-402.

MONTEIRO, J. L. Pronomes pessoais: subsídios para uma gramática de português do Brasil. Fortaleza: Edições UFC, 1994.

PAIVA, M. da C. de; DUARTE, M. E. L. Mudança linguística em tempo real. Rio de Janeiro: Contracapa livraria, 2003.

SILVA, L. B. C. da. Nós/agente: variação ou mudança. 2011. 96 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação, Linguagens e Cultura) – Centro de Ciências Humanas e Educação, Universidade da Amazônia, Belém, 2011. Disponível em: . Acesso em: 28 out. 2012.

TAMANINE, A. M. B. A alternância nós/a gente no interior de Santa Catarina. 2002. 132 f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Setor de Ciências Humanas, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2002. Disponível em: . Acesso em: 13 set. 2012.

TARALLO, F. A pesquisa sociolingüística. 3. ed. São Paulo: Ática, 1990.




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v46i1.1558

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)