Prescrição e descrição: dois vieses na Gramática Fundamental da Língua Portuguesa, de Gladstone Chaves de Melo

Saul Gomes Júnior

Resumo


Este trabalho, inserido no âmbito da Historiografia Linguística, visa a investigar uma dualidade na Gramática Fundamental da Língua Portuguesa, de Gladstone Chaves de Melo: prescrição vs. descrição. A fundamentação teórica tem como base a noção de horizonte de retrospecção, estabelecida por Auroux (2006). O prescritivismo de Melo manifesta-se, sobretudo, nas instruções fonéticas, enquanto a atitude descritiva do autor se apresenta de três formas: 1) concepção descritiva seguida de atitude prescritiva; 2) instauração da fonética descritiva; 3) abordagem descritiva da formação de palavras. Conclui-se que, na gramática elaborada por Gladstone Chaves de Melo, ocorre uma alternância entre a padronização da língua e a investigação linguística.


Palavras-chave


Historiografia Linguística; Gladstone Chaves de Melo; gramática; norma

Texto completo:

PDF

Referências


ALÉONG, A. Normas linguísticas, normas sociais: uma perspectiva antropológica. In: BAGNO, M. (Org.). Norma linguística. São Paulo: Edições Loyola, 2001.

ALTMAN, C. Fragmentos do século XX. Bibliografia cronológica e comentada de textos sobre a produção linguística brasileira. In: GÄRTNER, E. (Ed.). Pesquisas linguísticas em Portugal e no Brasil. Madrid/Frankfurt: Iberoamericana/Vervuert, 1997.

______. Os eternos gramáticos: algumas considerações sobre norma e prescrição na descrição linguística. In: BASTOS, N. B. et al. Homenagem: 80 anos de Evanildo Bechara. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2008.

ANTEPROJETO DE LÍNGUA PADRÃO. Apresentado pelo Departamento de Cultura da Municipalidade de São Paulo ao Congresso da Língua Nacional Cantada realizado na Cidade de São Paulo em 1937.

AUROUX, S. Introduction. In: Langages – L’hyperlangue brésilienne. Par Sylvain Auroux, Eni Puccinelli Orlandi, Francine Mazière. Paris: Larousse, juin, nº 120, 1998a.

______. La raison, le langage et les normes. Paris: PUF, 1998b.

______. A revolução tecnológica da gramatização. Tradução de Eni Puccinelli Orlandi. Campinas: Editora da UNICAMP, 2001.

______. Les modes d'historicisation. In: Histoire, Epistémologie, Langage, t. XXVIII,

f. 1, 2006.

BASTOS, N. B. et al. O gramático Gladstone Chaves de Melo: um homem plural. In: BASTOS, N. B.; PALMA, D. V. (Org.). História entrelaçada 3: a construção de gramáticas e o ensino de língua portuguesa na segunda metade do século XX. Rio de Janeiro: Lucerna, 2008.

BECHARA, E. Moderna gramática portuguesa. 3. ed. São Paulo: Editora Nacional, 1961.

CÂMARA JR., J. M. Para o estudo da fonêmica portuguesa. Rio de Janeiro: Organização Simões, 1953.

______. Princípios de linguística geral: como introdução aos estudos superiores de língua portuguesa. 2. ed. Rio de Janeiro: Acadêmica, 1954.

CHISS, J.-L. La transmission des savoirs sur la langue. In: AUROUX, S. et al. (Ed.). Histoire et grammaire du sens. Paris: Armand Colin, 1996.

COSERIU, E. Sistema, norma e fala. In: _______. Teoria da linguagem e linguística geral. Tradução de Agostinho Dias Carneiro. 2. ed. Rio de Janeiro: Presença, 1987.

CUNHA, C. Gramática moderna. 2. ed. Belo Horizonte: Editora Bernardo Álvares, 1970.

JAKOBSON, R. Fonema e fonologia: ensaios. Seleção, tradução e notas de Joaquim Mattoso Câmara Júnior. Rio de Janeiro: Acadêmica, 1967.

LEITE, M. Q. O discurso dos exemplos nas gramáticas portuguesas do século XVI. In: URBANO, H. et al. (Org.). Dino Preti e seus temas: oralidade, literatura, mídia e ensino. São Paulo: Cortez, 2001.

MACAMBIRA, J. R. A estrutura morfossintática do português: aplicação do estruturalismo linguístico. 2. ed. São Paulo: Pioneira, 1974a.

______. Português estrutural. Fortaleza: Imprensa Universitária da Universidade Federal do Ceará, 1974b.

MELO, G. C. de. A língua do Brasil. Rio de Janeiro: Agir, 1946.

______. Iniciação à filologia portuguesa. Rio de Janeiro: Organizações Simões, 1951.

______. Gramática fundamental da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Acadêmica, 1968.

PINTO, R. M. Cem anos de língua portuguesa no Brasil 2 – Cem anos de gramática portuguesa no Brasil. O Estado de São Paulo, São Paulo, 7 fev. Suplemento do Centenário, p. 1-3, 1976.

SAID ALI, M. Meios de expressão e alterações semânticas. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1930.




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v46i1.1583

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)