A formação de onomatopeias nos quadrinhos nacionais: questões ortográficas e fonológicas

Natália Cristine Prado

Resumo


O objetivo deste estudo é investigar onomatopeias a partir dos quadrinhos brasileiros, observando a relação entre fonologia e ortografia que se estabelece nesses vocábulos. Para este trabalho, foram observadas 60 histórias em quadrinhos a partir das revistas “Turma da Mônica” (Mônica, Magali, Cascão, Cebolinha, Chico Bento e Turma da Mônica) e coletadas 162 onomatopeias. Após a coleta desses dados, passamos a observar a relação entre ortografia e fonologia. Pudemos observar, neste estudo, que a escrita das onomatopeias passa por um processo de estilização da ortografia – muitas vezes com o intuito de trazer elementos prosódicos para o vocábulo, como, por exemplo, volume e duração. Outro fato interessante é que as onomatopeias podem apresentar, inclusive, sequências que, apesar de permitidas pelo molde silábico da língua portuguesa, acabam restritas a poucos usos.


Palavras-chave


onomatopeia; ortografia; fonologia.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, I. M. Neologismo: criação lexical. São Paulo: Ática, 1990.

CAGLIARI, L. C. A escrita do barulho. In: Estudos Linguisticos – Anais de seminários do GEL, São Paulo: Instituição Moura Lacerda, v. 22, p. 615-622, 1993.

_______. Elementos de fonética do português brasileiro. São Paulo: Paulistana, 2007.

CAGNIN, A. L. Os quadrinhos. São Paulo: Ática, 1975.

CÂMARA JR., J. M. Estrutura da Língua Portuguesa. 36. ed. Petrópolis: Vozes, 2004 [1970].

CÂMARA JR., J. M. Contribuição à estilística portuguesa. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico, 1978.

CASCÃO. São Paulo: Panini Comics, n. 11, março 2016.

CEBOLINHA. São Paulo: Panini Comics, n. 11, março 2016.

CHICO BENTO. São Paulo: Panini Comics, n. 11, março 2016.

COLLISCHONN, G. A sílaba em português. In: BISOL, L. (Org.). Introdução a estudos de fonologia do português brasileiro. 4. ed. Porto Alegre: EDIPURCS, 2005 [1996]. p. 101-133.

EGUTI, C. A. A representatividade da oralidade nas histórias em quadrinhos. 2001. 198 f. Dissertação (Mestrado em Filologia e Língua Portuguesa) – Faculdade de Filosofia e Língua Portuguesa, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2001.

LUYTEN, S. M. B. O que é história em quadrinhos. São Paulo: Editora Brasiliense, 1985.

MACEDO, N. Z. Análise fonológica de nomes próprios de origem estrangeira e novas criações em Português Brasileiro. 2015. 171 f. Dissertação (Mestrado em Linguística e Língua Portuguesa) –Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista, Araraquara, 2015.

MAGALI. São Paulo: Panini Comics, n. 11, março 2016.

MAGALI. São Paulo: Panini Comics, n. 99, março 2015.

MAINGUENEAU, D. Discurso literário. Tradução de Adail Sobral. São Paulo: Contexto: 2006.

MASSINI-CAGLIARI, G.; CAGLIARI, L. C. Fonética. In: MUSSALIN, F.; BENTES, A. C. (Org.). Introdução à Linguística: Domínios e Fronteiras. v. 1. São Paulo: Cortez, 2006. p. 105-146.

________. Discutindo questões de identidade a partir da (não) adaptação fonológica de nomes próprios de origem estrangeira no Brasil. In: NEVES, M. H. de M. As interfaces da gramática. Araraquara: FCL-UNESP Laboratório Editorial; São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010. (Série Trilhas Linguísticas 18). p. 73-90.

________. Loans and foreign first names as clues to Phonological Identity in Brazilian Portuguese. In: HORNSBY, D. (Org.). Interfaces in language 2. v. 1. Newcastle upon Tyne: Cambridge Scholars, 2011a. p. 53-67.

_______. Adaptação fonológica de nomes próprios de origem estrangeira: comparação entre Português Arcaico e Português Brasileiro. Estudos Linguísticos, São Paulo, 40 (2), p. 795-807, mai.-ago. 2011b.

MENDONÇA, M. R. de S. Um gênero quadro a quadro: a história em quadrinhos. In: DIONISIO, A. P.; MACHADO, A. R.; BEZERRA, M. A. (Org.). Gêneros textuais & ensino. Rio de Janeiro: Lucerna, 2002. p. 194-207.

MÔNICA. São Paulo: Panini Comics, n. 11, março 2016.

NEVES, M. H. de M. A gramática: conhecimento e ensino. In: Que gramática estudar na escola? Norma e uso na Língua Portuguesa. São Paulo: Contexto, 2003. p. 128-152.

PASSARELLI, L. G. Os quadrinhos na educação lingüística: história, teoria e prática. In: BASTOS, N. B. (Org.). Língua Portuguesa em calidoscópio. São Paulo: EDUC, 2004. p. 47-59.

PRADO, N. C. A influência da língua inglesa na formação de nomes comerciais: questões de identidade linguística e cultural. 2014. 343 f. Tese (Doutorado em Linguística e Língua Portuguesa) –Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista, Araraquara, 2014.

RAMOS, P. Piadas e tiras em quadrinhos: a oralidade presente nos textos de humor. Estudos Linguísticos, p. 1158-1163, 2005.

_______. Histórias em quadrinhos: um novo objeto de estudos. Estudos Linguísticos, p. 1574-1583, 2006.

_______. A leitura dos quadrinhos. São Paulo: Contexto, 2012.

SANDMANN, A. J. Morfologia Lexical. São Paulo: Contexto, 1997.

SOUZA, S. M. L. S. de. Antropônimos de origem inglesa: adaptações ortográficas e fonético-fonológicas realizadas por falantes do português brasileiro de São Luís – MA. 2011. 248 f. Tese (Doutorado em Linguística e Língua Portuguesa) – Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista, Araraquara, 2011.

TURMA DA MÔNICA. São Paulo: Panini Comics, n. 11, março 2016.

VERGUEIRO, W. A pesquisa em quadrinhos no Brasil: a contribuição da universidade. In: LUYTEN, S. B. (Org.). Cultura pop japonesa. São Paulo: Hedra, 2005. p. 15-26.




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v46i1.1586

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)