Construções condicionais insubordinadas no português: usos metatextuais

Flávia Bezera de Menezes Hirata Vale

Resumo


O objetivo deste trabalho é descrever e analisar os usos de construções condicionais insubordinadas no português do Brasil e de Portugal com função metatextual. Essas construções são entendidas como “o uso convencionalizado como oração principal de orações que, à primeira vista, parecem ser orações formalmente subordinadas" (EVANS, 2007), o que significa que, embora elas apresentem uma marca de subordinação, são usadas de forma independente, sem estarem conectadas a uma oração principal. Os dados foram coletados em Corpus do Português, Corpus Brasileiro, C-Oral, CRPC, e também, quando necessário, na internet. Conclui-se que essas construções contribuem para a organização textual, expressam as atitudes dos falantes e a relação intersubjetiva entre falante e ouvinte, o que mostra o alargamento do seu escopo de aplicação, indo além do nível sintático para o nível discursivo.


Palavras-chave


construções condicionais; insubordinação; organização textual

Texto completo:

PDF

Referências


BOOGAART, R.; VERHEIJ, K. Als dát geen insubordinatie is! De pragmatiek van zelfstandige conditionele zinnen. In: JANSSEN, T.; NOORDEGRAAF, J. (Red.). Honderd jaar taalwetenschap. Artikelen aangeboden aan Saskia Daalder bij haar afscheid van de Vrije Universiteit. Amsterdam, St. Neerlandistiek VU & Münster, Nodus Publikationen, 2013. p. 13-28.

DECAT, M. B. do N. “Leite com manga morre”: da hipotaxe adverbial no português em uso. 1993. 287 f. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada ao Ensino de Línguas) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 1993.

_______. Relações retóricas e funções textual-discursivas na articulação de orações no português brasileiro em uso. Calidoscópio, v. 8, n. 3, p. 167-173, set./dez. 2010.

_______. Estruturas desgarradas em língua portuguesa. Campinas: Pontes, 2011.

_______. Uma abordagem funcionalista para o estudo de processos linguísticos em gêneros textuais do português em uso. Revista Linguística / Revista do Programa de Pós-Graduação em Linguística da Universidade Federal do Rio de Janeiro, v. 8, n. 1, p. 150-162, jun. 2012.

D'HERTEFELT, S.; VERSTRAETE, J. C.; VAN LINDEN, A. Independent conditional clauses in Germanic languages: functional range and influence of ‘subordinate’ semantics. Trabalho apresentado no “Complex Sentences International Workshop (CSI)”. 2013. Disponível em: . Acesso em: 21 out. 2013.

D’HERTEFELT, S.; VERSTRAETE, J.-C. Independent complement constructions in Swedish and Danish: Insubordination or dependency shift? Journal of Pragmatics,

n. 60, p. 89-102, 2014.

D'HERTEFELT, S. Independent conditional clauses in Germanic: functional range, constructional unity and grammatical status. Coordination / Subordination in Lisbon (CSI). Lisbon, 07-09 May 2014. Disponível em: . Acesso em: 21 out. 2013.

_________. Insubordination in six Germanic languages. 2015. 229 f. PhD Thesis. Katholieke Universiteit Leuven, 2015.

EVANS, N. Insubordination and its uses. In: NIKOLAEVA, I. (Ed.). Finiteness. Theoretical and Empirical Foundations. Oxford: Oxford University Press, 2007. p. 366-431.

FAUCONNIER, G. Mental Spaces: Aspects of Meaning Construction in Natural Language. New York: Cambridge University Press, 1994.

FONSECA, J. O funcionamento discursivo das comparativas condicionais independentes. Diacrítica, Série Ciências da Linguagem, nº 17/1, 2003. Disponível em: . Acesso em: 15 jul. 2015.

______. As comparativas condicionais independentes em português. Círculo de Linguística Aplicada à Comunicação 17, fevereiro. 2004. Disponível em: . Acesso em: 15 jul. 2015.

GARCIA, W. E. La prosodia de las construcciones insubordinadas conectivo-argumentativas del español. 2016. 487 f. Tese. (Doutorado em Linguística) – Universidade de Barcelona, 2016.

GRAS, P. Gramática de construcciones en interacción. Propuesta de un modelo y aplicación al análisis de estructuras independientes con marcas de subordinación en español. 2011. 580 f. Tese. (Doutorado em Linguística) – Universidade de Barcelona, 2011.

HEINE, B. et al. An outline of Discourse Grammar. In: BISCHOFF, S.; JENY, C. (Eds.). Reflections on Functionalism in Linguistics. Berlin: Mouton de Gruyter., 2013.

_______. On insubordination and cooptation. In: EVANS, N.; WATANABE, H. Dynamics of Insubordination. (Typological Studies in Language). Amsterdam, Philadelphia: Benjamins, 2016.

HIRATA, F. B. M. A hipotaxe adverbial condicional no português escrito contemporâneo do Brasil. 1999. 231 f. Dissertação (Mestrado em Linguística e Língua Portuguesa) – Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista, Araraquara, 1999.

________. O processo de insubordinação nas construções condicionais do português do Brasil. Relatório Científico de Estágio Pós-Doutoral. Katholiek Universiteit Leuven, Leuven, Bélgica, 2015.

_________. As construções completivas insubordinadas no português: forma e função. Relatório parcial de auxílio à pesquisa FAPESP (Processo 2016/05224-2) – Centro de Educação e Ciências Humanas, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2017.

KALTENBÖCK, G. On insubordination: form, function and Origin of insubordinate if-clauses. Paper presented at the workshop Outside the clause: Form and function of Extra-clausal constituents. 2014. Disponível em: . Acesso em: 13 mai. 2015.

LOPES, A. C. M. Condicionais de enunciação no Português europeu contemporâneo. CELGA, 2010. Disponível em . Acesso em: 15 jul. 2015.

_________. Contributos para o estudo de construções condicionais não canónicas no PEC. Diacrítica, 23.1, p. 149-170. 2009.

MATTHIESSEN, C., THOMPSON, S. A. The structure of discourse and subordination. In: HAIMAN, J.; THOMPSON, S. (Eds.). Clause combining in grammar and discourse. Amsterdam: John Benjamins, 1988. p. 275-329.

MITHUN, M. The extension of dependency beyond the sentence. Language, 84 (1),

p. 69-119. 2008.

SANSIÑENA, M. S. An interactional approach to insubordinate complement clauses in Spanish. Phd. Dissertation. KULeuven, 2015.

SANSIÑENA, M. S.; De SMET, H.; CORNILLIE, B. B. subordinate and insubordinate. 2015b. Paths toward complementizer-initial main clauses, Journal of Pragmatics. Disponível em: . Acesso em: 14 fev. 2015.

SCHWENTER, S. A. Pragmatics of conditional marking: implicature, scalarity and exclusivity. New York: Garland. 1999.

_____. Expectations and (in)sufficiency: Spanish como-conditionals. Linguistics, v. 39, p. 733‐60. 2001.

_____. Independent si-Clauses in Spanish: Functions and Consequences for Insubordination. In: EVANS, N.; WATANABE, H. (Eds.). Dynamics of Insubordination. Amsterdam: Benjamins. 2016.

STASSI-SÉ, J. Subordinação Discursiva no Português à luz da Gramática Discursivo-Funcional. 2012. 194 f. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos) – Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, São José do Rio Preto, 2012.

STIRLING, L. Isolated if-clauses in Australian English. In: LEE, D.; COLLINS, P. (Eds.). The clause in English. Amsterdam: John Benjamins, 1999. p. 275-297.

VALLAURI, E. Grammaticalization of syntactic incompleteness: free conditionals in Italian and other languages. SKY Journal of Linguistics (The Linguistic Association of Finland), 17, p. 189-215. 2004.

______. Free conditionals in discourse: the forming of a construction. Linguisticae Investigationes, v. 33:1, p. 50-85, 2010.

VAN LINDEN, A.; VAN DE VELDE, F. (Semi-)autonomous subordination in Dutch: Structures and semantic- pragmatic values. Journal of Pragmatics, n. 08, v. 22, p. 226-250, 2013.




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v46i1.1655

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)