Implementação do Programa Idiomas sem Fronteiras na UNESP

Sandra Mari Kaneko-Marques, Daniela Nogueira de Moraes Garcia

Resumo


O cenário educacional brasileiro tem vivenciado políticas linguísticas que primam pela melhoria da proficiência em língua estrangeira no Ensino Superior. Com a globalização e internacionalização, a universidade deve reconhecer a importância do desenvolvimento da proficiência linguística, tendo em vista o acesso ao conhecimento produzido internacionalmente e sua inserção internacional (ABREU-E-LIMA et al., 2016). A universidade desempenha um papel primordial na implementação de ações pedagógicas para oferecer suporte e articulação para tais ações. O presente estudo contextualiza o Idiomas sem Fronteiras, um programa nacional do Ministério da Educação voltado para o ensino/aprendizagem de línguas estrangeiras para alunos, pesquisadores e servidores de instituições públicas. Serão abordadas as especificidades da UNESP, detalhando sua implementação.

Palavras-chave


políticas linguísticas públicas; implementação; universidade multicampus

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU-E-LIMA, D. M.; MORAES FILHO, W. B.; BARBOSA, W. J. C.; BLUM, A. S. O Programa Inglês sem Fronteiras e a Política de Incentivo à Internacionalização do Ensino Superior Brasileiro. In: SARMIENTO, S.; ABREU-E-LIMA, D. M.; MORAES FILHO, W. B. (org.). Do Inglês sem Fronteiras ao Idiomas sem Fronteiras: a construção de uma política linguística para internacionalização. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2016. p. 5-30.

ALMEIDA FILHO, J. C. P. Dimensões Comunicativas no Ensino de Línguas. Campinas: Pontes, 1993.

ALMEIDA FILHO, J. C. P. Conhecer e Desenvolver a Competência Profissional dos Professores de LE. Contexturas: Ensino Crítico de Língua Inglesa, São Paulo, n. 9, p. 9-19, 2006.

BELZ, J. A. Linguistic perspectives on the development of intercultural competence in telecollaboration. Language Learning & Technology, v. 7, n. 2, p. 68-99, 2003. Disponível em: http://www.lltjournal.org/item/2431. Acesso em: 27 ago. 2018.

CHAGAS, A. Ciência sem Fronteiras expõe ‘lado feio’ do ensino de idiomas no Brasil. Terra Notícias. 2013. Disponível em: https://goo.gl/tPYnCD. Acesso em: 24 ago. 2018.

DE CHAZAL, E. English for Academic Purposes. Oxford handbooks for language London: Oxford University Press, 2014.

DORIGON, T. O Programa Idiomas sem Fronteiras analisado a partir do ciclo de políticas. BELT-Brazilian English Language Teaching Journal, Porto Alegre, v. 6, p. 4-20, dez. 2015. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/belt/article/view/21009/0. Acesso em: 15 jun. 2018.

GIMENEZ, T.; PASSONI, T. P. Políticas Linguísticas e suas Consequências não Planejadas: o programa Idiomas sem Fronteiras e suas repercussões nos cursos de Letras. Calidoscópio, São Leopoldo, v. 14, n. 1, p. 115-126, jan./abr. 2016.

HUTCHINSON, T.; WATERS, A. English for Specific Purposes: a learner-centred approach Cambridge: Cambridge University Press, 1987.

JENKINS, J. English as a Lingua Franca in the International University: the politics of academic English language policy. London: Routledge, 2013.

KUMARAVADIVELU, B. Beyond Methods: Macrostrategies for Language Teaching. Yale University, 2003.

KUMARAVADIVELU, B. Deconstructing Applied Linguistics: a Postcolonial Perspective. In: FREIRE, M.; VIEIRA-ABRAHÃO, M. H.; BARCELOS, A. M. F. (org.). Linguística Aplicada e Contemporaneidade. Campinas: Pontes, 2005. p. 25-37.

KUMARAVADIVELU, B. Understanding Language Teaching: from method to postmethod. Mahwah, NJ: Lawrence Erlbaum Associates Publishers, 2006.

LEFFA, V. J.; IRALA, V. B. O ensino de outra(s) língua(s) na contemporaneidade: questões conceituais e metodológicas. In: LEFFA, V. J.; IRALA, V. B. (org.). Uma espiadinha na sala de aula: ensinando línguas adicionais no Brasil. Pelotas: Educat, 2014. p. 21-48.

MOROSINI, M.; USTÁRROZ, E. Impactos da internacionalização da educação superior na docência universitária: construindo a cidadania global por meio do currículo globalizado e das competências interculturais. Revista Em Aberto, Brasília, v. 29, n. 97, p. 35-46, set./dez. 2016.

NARDI, N. Como surgiu o Projeto Inglês Instrumental no Brasil. Revista Voz das Letras, Santa Catarina, n. 3, p. 1-9, 2005.

PACHECO, J. A.; FLORES, M. A. Formação e Avaliação de Professores. Porto: Porto Editora, 1999.

PINHEIRO, L. M.; FINARDI, K. R. Políticas Públicas de Internacionalização e o Papel do Inglês: evidências dos programas CsF e IsF. In: Congresso Nacional de Estudos Linguísticos, 2, 2014, Vitória. Anais eletrônicos... Vitória: Universidade Federal do Espírito Santo, 2014. Disponível em: http://periodicos.ufes.br/conel/article/view/6474/4731. Acesso em: 10 jun. 2018.

SARMENTO, S.; DUTRA, D. P.; BARBOSA, M. V.; MORAES FILHO, W. ISF e Internacionalização: da teoria à prática. In: Sarmento, S.; Abreu-e-Lima, D. M.; Moraes, W. M. (org.). Do Inglês sem Fronteiras ao Idiomas sem Fronteiras: a construção de uma política linguística para a internacionalização. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2016. p. 77-104.

SCHENKER, T. Intercultural Competence and Cultural Learning through Telecollaboration. CALICO Journal, v. 29, n. 3, p. 449-470, 2012.

VIAN JR, O. A Formação Inicial do Professor de Inglês para Fins Específicos. In: LIMA-LOPES, R. E.; FISCHER, C. R.; GAZOTTI-VALLIM, M. A. (org.). Perspectivas em Línguas para Fins Específicos: festschrift para Rosinda Ramos. Campinas: Pontes, 2015. p. 187-208.

ZEICHNER, K. M. Uma análise crítica sobre a “reflexão” como conceito estruturante na formação docente. Educação e Sociedade, Campinas, v. 29, n. 103, p. 535-554, 2008.




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v48i1.2289

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)