A hipótese da «soldadura» na formação de topônimos indígenas monolexicais de estrutura poliléxica na língua de origem

Camila André do Nascimento da Silva, Aparecida Negri Isquerdo

Resumo


Este trabalho analisa processos de formação de palavras por composição evidenciados na estrutura morfológica de topônimos pertencentes à mesorregião Sudoeste do Mato Grosso do Sul, com destaque para designativos cujos elementos de origem foram unidos por um processo de soldadura, uma hipótese de trabalho ainda em processo de construção. Trata-se de um recorte de uma pesquisa mais ampla que tem como objeto de estudo a toponímia rural de acidentes físicos de base indígena. Os resultados dos dados discutidos neste trabalho evidenciam um número representativo de unidades lexicais que, em sua configuração sincrônica, são formas simples, mas o estudo etimológico evidencia a presença de uma estrutura composta de base. Dessa forma, discute-se, neste trabalho, o grau de vitalidade de topônimos monolexicais de origem poliléxica e busca-se atestar a hipótese da soldadura como uma característica da toponímia indígena na região estudada. Em termos teóricos, o estudo orienta-se, fundamentalmente, em Rodrigues (1951), Dick (1992) e Gross (1996).


Palavras-chave


Soldadura; Topônimos monolexicais; Topônimos polilexicais; Línguas Indígenas

Texto completo:

PDF

Referências


ATEMS – Atlas Toponímico de Mato Grosso do Sul. Sistema de Dados. Campo Grande: UFMS, 2019 (acesso restrito).

BASILIO, M. Formação de palavras no português do Brasil. 4. ed. São Paulo: Contexto, 2013.

BUENO, S. Vocabulário Tupi-Guarani Português. 7. ed. São Paulo: Vida Livros, 2008.

CARONE, F. de B. Morfossintaxe. São Paulo: Ática, 1986.

COUTINHO, I. de L. Pontos de Gramática Histórica. 6. ed. Rio de Janeiro: Livraria Acadêmica, 1969.

DAUZAT, A. Les noms de lieux: origine et évolution, villes et villages, pays, cours d’eau, montagnes, lieux-dits. Paris: Librairie Delagrave, 1947.

DICK, M. V. de P. A. A motivação toponímica e a realidade brasileira. São Paulo: Edições Arquivo do Estado, 1990.

DICK, M. V. de P. A. Toponímia e Antroponímia no Brasil. Coletânea de Estudos. São Paulo: Serviço de Artes Gráficas/FFLCH/USP, 1992.

GROSS, G. Les expressions figées en français. Noms composés et autres locutions. Paris: Editions Ophrys, 1996.

KEHDI, V. Formação de palavras em português. 4. ed. São Paulo: Ática, 2007.

MARQUES, E. A. Fraseotopônimos: estabelecendo diálogos entre a fraseologia e a toponímia. Revista Guavira, Três Lagoas/MS, n. 25, p. 23-33, jul./dez. 2017. Disponível em: http://websensors.net.br/seer/index.php/guavira/article/view/589/435. Acesso em: 09 abr. 2020.

MEJRI, S. Le figement lexical, descriptions linguistiques structuration sémantique. Tunis: Publications de La Faculté des Lettres, Université de La Manouba, 1997.

MONTEIRO, J. L. Morfologia Portuguesa. 4. ed. revista e ampliada. Campinas: Pontes, 2002.

MONTOYA, A. R. de. Gramatica y diccionarios (arte, vocabulario y tesoro) de la lengua tupi ó guarani. Vienna: Faesy y Frick; Paris: Maisonneuve y Cia, 1876.

RADIMSKÝ, J. Les composés italiens actuels. 2005. Thèse (Doctorat en Philologie) – Faculté des Lettres, Institut D’etudes Romanes, Université Charles, Prague, 2005. Disponível em: https://is.cuni.cz/webapps/zzp/download/150020815. Acesso em: 16 ago. 2019.

RODRIGUES, A. D.’I. A composição em Tupi. Separata de Logos, ano VI, n. 14. Curitiba, p. 1-8, 1951. Disponível em: http://biblio.wdfiles.com/local--files/rodrigues-1951-composicao/rodrigues_1951_composicao.pdf. Acesso em: 20 jun. 2019.

SAMPAIO, T. O tupi na geografia nacional. 3. ed. Bahia: Secção Graphica da escola de Aprendizes Artificies, 1928.

SAMPAIO, T. O tupi na geografia nacional. 5. ed. São Paulo: Editora Nacional, 1987.

TIBIRIÇÁ, L. C. Dicionários de Topônimos de Origem Tupi: significado dos nomes geográficos de origem tupi. São Paulo: Traço Editora, 1985.

TIBIRIÇÁ, L. C. Dicionário Guarani Português. São Paulo: Traço Editora, 1989.




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v49i1.2698

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)