A diversidade linguística no ensino de português como língua adicional e língua estrangeira

Juliana Bertucci Barbosa, Deolinda de Jesus Freire

Resumo


Este artigo tem como objetivo apresentar parte do resultado de uma pesquisa que vem sendo realizada no âmbito do Mestrado Profissional em Letras (Profletras) da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM) desde 2016. Nessa etapa, elaboramos e aplicamos um questionário para diagnosticar conceitos que os professores da Educação Básica, alunos do mestrado profissional, têm sobre a diversidade linguística, tanto no Português Brasileiro quanto na Língua Adicional, em sua prática profissional. Também foi investigado como essa diversidade é abordada em suas aulas e se eles têm conhecimento do Celpe-Bras. A partir da análise das respostas do questionário, propomo-nos a refletir sobre posicionamentos teóricos que envolvem a formação de professores no que se refere à abordagem da diversidade linguística no ensino de língua portuguesa, bem como o plurilinguismo no Brasil.

Palavras-chave


português brasileiro; língua adicional; ensino de português.

Texto completo:

PDF

Referências


ALKMIM, T. M. Sociolingüística. Parte I. In: MUSSALIN, F.; BENTES, A. C. (org.). Introdução à Lingüística: domínios e fronteiras. v. 1. São Paulo: Cortez, 2001. p. 21-47.

BAGNO, M. Preconceito linguístico: o que é, como se faz. 46. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2006.

BERTUCCI BARBOSA, J.; FREIRE, D. J. Formação de professores e ensino de Português como Língua Adicional. Estudos Linguísticos, v. 46, n. 2, p. 593-602, 2017.

BORTONI-RICARDO, S. M. Educação em língua materna: a sociolingüística na sala de aula. São Paulo: Parábola Editorial, 2004.

BRASIL. Ministério da Educação. Guia do livro didático PNLD. Brasília: Ministério da Educação, 2019.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Educação é a Base. Brasília, MEC/CONSED/UNDIME, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf. Acesso em: 02 jun. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira – INEP. INEP Matriz de referência do ENEM. 2012. Disponível em: https://bit.ly/30iiwut. Acesso em set. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnológica Parâmetros curriculares nacionais: introdução. Brasília: MEC/SEF, 1997.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnológica Parâmetros curriculares nacionais: introdução aos parâmetros curriculares nacionais do Ensino Fundamental II. Brasília: MEC/SEF, 1998.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnológica Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Médio - Parte I – Bases Legais. Brasília: MEC/SEF, 2000.

CALVET, L.-J. Identité et plurilinguisme, dans 1ère Table Ronde Identité et multiculturalisme. Trois espaces linguistiques face aux défis de la mondialisation. Paris: 2001.

CORACINI, M. J. R. F. A Celebração do Outro: arquivo, memória e identidade: línguas (materna e estrangeira), plurilinguismo e tradução. Campinas: Mercado de Letras, 2007.

FARACO, C. A. Norma Culta Brasileira: desatando alguns nós. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

HOUAISS, A. O português no Brasil. Rio de Janeiro: Unibrade-Centro de Cultura,1985.

INEP Matriz de referência do ENEM. 2012. Disponível em: https://bit.ly/30iiwut. Acesso em: 15 set. 2019.

LABOV, W. Padrões Sociolinguísticos. São Paulo: Parábola, 2008 [1972].

MATTOS E SILVA, R. V. Caminhos da lingüística histórica: ouvir o inaudível. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

MATTOS E SILVA, R. V. Uma compreensão histórica do português brasileiro: velhos problemas repensados. In: MOTA, J.; CARDOSO, S.; MATTOS E SILVA, R. V. (org.). Quinhentos anos da História Lingüística do Brasil. Salvador: Secretaria da Cultura e do Turismo do Estado da Bahia, v. 1, 2006. p. 219-250.

MATTOS E SILVA, R. V. Português brasileiro: raízes e trajetórias. Discursos, São Paulo, n. 3, p. 75-92, 1993.

MENEZES, L. J. J. M. Plurilinguismo, Multilinguismo e Bilinguismo: Reflexões sobre a Realidade Linguística Moçambicana. PERcursos Linguísticos, n. 7, v. 3, p. 81-91, 2013. Disponível em: http://periodicos.ufes.br/percursos/article/view/4589. Acesso em: 20 maio 2020.

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 10. ed. São Paulo: HUCITEC, 2007.

MOITA-LOPES, L. P. A nova ordem mundial, os Parâmetros Curriculares Nacionais e o ensino de inglês no Brasil: a base intelectual para uma ação política. In: BARBARA, L; RAMOS, R. C. G. Reflexão e ações no ensino/aprendizagem de línguas. Campinas: Mercado das Letras, 2003. p. 29-57.

MOITA-LOPES, L. P. Oficina de lingüística aplicada: a natureza social e educacional dos processos de ensino/aprendizagem de línguas. Campinas: Mercado das Letras, 1996.

NOBRE, A. Quinhentos anos de história social linguística do Brasil: uma retrospectiva. Fórum Linguístico, Santa Catarina, p. 3093-3110, 2018. Disponível em:

https://bit.ly/3h0mLjZ. Acesso em: 14 ago. 2019.

OLIVEIRA, G. M. de. Política Linguística e Internacionalização: a língua portuguesa no mundo globalizado do século XXI. Trabalhos de Linguística Aplicada, Campinas, n. 52.2, p. 409-433, jul./dez. 2013.

PETTER, M. M. T. Línguas africanas no Brasil. In: CARDOSO, S.; MOTA, J.; MATTOS E SILVA, R. V. (org.). Quinhentos anos de história linguística do Brasil. Salvador: Secretaria da Cultura e Turismo do Estado da Bahia, 2006. p. 117-142.

SCHLATTER, M. Celpe-Bras: Certificado de Língua Portuguesa para estrangeiros – breve histórico. In: CUNHA, M. J.; SANTOS, P. (org.). Ensino e Pesquisa em Português para Estrangeiros. Brasília: Editora UnB. 1999. p. 97-104.

SCHLATTER, M.; GARCEZ, P. M. Línguas adicionais na escola: aprendizagens colaborativas em inglês. Erechim: Edelbra, 2012.




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v49i2.2714

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)