O projeto Bruxas Paulistas e a edição de processos eclesiásticos

Marcelo Módolo

Resumo


O Projeto Bruxas Paulistas constitui-se de um conjunto de treze processos eclesiásticos do século XVIII, fonte de pesquisa rica e pouco explorada de um trecho de nossa história ainda sombrio e pouco conhecido: a atuação indireta do Tribunal do Santo Ofício na região sudeste do Brasil. Igualmente, segundo Fernandes (2012), tais processos podem trazer uma significativa representação da língua falada para épocas pretéritas, captando variações já perceptíveis na oralidade, dada a preocupação do escrivão em registrar depoimentos ipsis litteris e com rapidez. A pesquisa ratifica, portanto – pela análise do processo de Santa Joana Gil – a importância de transcrever filologicamente essa documentação para se conhecer melhor a história desse período colonial brasileiro e resgatar possíveis indícios de variação e mudança linguística ocorridos no século XVIII.


Palavras-chave


feitiçaria, Tribunal do Santo Ofício; sudeste do Brasil; documentação formal; variação e mudança linguística

Texto completo:

PDF

Referências


ASSIS, A. A. F. de. Inquisição, religiosidade e transformações culturais: a sinagoga das mulheres e a sobrevivência do judaísmo feminino no Brasil colonial - Nordeste, séculos XVI-XVII. Revista brasileira de história, São Paulo, v. 22, n. 43, p. 47-66, 2002. Disponível em: https://bit.ly/2nsEXLX. Acesso em: 28 set. 2019.

BOCCIA, S. As bruxas paulistas. Revista Veja, São Paulo: Editora Abril, ed. 1619, 13/10/1999.

BURKE, P. A história dos acontecimentos e a história da narrativa. In: BURKE, P. A escrita da história: novas perspectivas. São Paulo: Editora da Unesp, 1992.

CRUZ, F. Magia negra. Revista aventuras na história, São Paulo, Perfil, 2014.

FERNANDES, N. R. Sujeito nulo na história do português de São Paulo: 1878-1947. 2012. Dissertação (Mestrado em Filologia e Língua Portuguesa) – Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012. Disponível em: https://bit.ly/2nsNKxy. Acesso em: 28 set. 2019.

FERREIRA, I. Bruxas paulistas: pesquisa resgata história de mulheres acusadas de feitiçaria. Jornal da USP. Disponível em: https://bit.ly/2XNWfDk. Acesso em: 18 mar. 2020.

FERREIRA, P. T. Filologia como curadoria: o caso Pessoa. Filologia e linguística portuguesa, São Paulo, v. 18, n. 2, p. 231-262, ago./dez. 2016. Disponível em: https://bit.ly/2kqfLob. Acesso em: 18 mar. 2020.

FERRARI, M. Privilégios ancestrais: livro sobre a justiça em São Paulo na época colonial descreve as raízes dos desmandos públicos no Brasil. Revista pesquisa Fapesp, São Paulo, ed. 234, ago. 2015. Disponível em: https://revistapesquisa.fapesp.br/2015/08/13/privilegios-ancestrais/. Acesso em: 18 mar. 2020.

HEBMÜLLER, P. Arquivos da Cúria mostram reflexos da Inquisição no Brasil do século 18. Jornal da USP. 2014. Disponível em: https://bit.ly/3evQXlZ. Acesso em: 18 mar. 2020.

HERCULANO, A. História da origem e estabelecimento da Inquisição em Portugal. 13. ed. Tomo I. Lisboa: Livraria Bertrand, 1960.

LABOV, W. Building on empirical foundations. In: LEHMANN, W., MALKIEL, Y. (eds.) Perspectives on historical linguistics. Amsterdan/Philadelphia: John Benjamins, 1982. p. 17-92.

LUCCHESI, D.; BAXTER, A.; RIBEIRO, I. (org.). O português afro-brasileiro. Salvador: EDUFBA, 2009.

MEGALE, H. Filologia bandeirante. Itinerários, Araraquara, n. 13, p. 11-34, 1998.

MEGALE, H.; TOLEDO NETO, S. A. (org.) Por minha letra e sinal: documentos do ouro do século XVII. Cotia: Ateliê Editorial; FAPESP, 2005.

MENDONÇA, J. L. D.; MOREIRA, A. J. História dos principais actos e procedimentos da Inquisição em Portugal. Lisboa: Imprensa Nacional Casa da Moeda, 1980.

MÓDOLO, M.; NEGRO, H. de. O. B. Autos de denúncia da Cúria Metropolitana de São Paulo: análise do uso de sinais diacríticos na escrita de processos de feitiçaria. Estudos Linguísticos, v. 47, p. 435-445, 2018.

MORAIS, K. Jundiahy, 1754: mãe e filha são julgadas por FEITIÇARIA. Jundiaí agora: opinião. Jundiaí, 31 de outubro de 2018. Disponível em: http://jundiagora.com.br/jundiahy-feiticaria/. Acesso em: 18 mar. 2020.

NOVINSKY, A. Inquisição: prisioneiros do Brasil. Rio de Janeiro: Editorial Expressão e Cultura, 2002.

NOVINSKY, A. Inquisição. Ensaios sobre mentalidades, heresias e arte. Rio de Janeiro: Editorial Expressão e Cultura, 1992a.

NOVINSKY, A. Inquisição. Rol dos culpados. Rio de Janeiro: Editorial Expressão e Cultura, 1992b.

NOVINSKY, A. Inquisição: inventários de bens confiscados a cristãos novos no Brasil. Lisboa: Editorial Imprensa Nacional. Casa de la Moneda, 1978.

OLIVEIRA, M. S. D. de; ZANOLI, M. de. L.; MÓDOLO, M. O conceito de Língua Geral do Brasil revisitado à luz da linguística de contato. Journal of ibero-romance creoles, v. 9, p. 306-333, 2019.

PORTO, N. P. Feitiçaria paulista: transcrição de processo-crime da Justiça Eclesiástica na América portuguesa do século XVIII. 2019. Tese (Doutorado em Letras) – Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras, Universidade de São Paulo, São Paulo. Disponível para consulta em https://teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8142/tde-02052019-112854/publico/2018_NarayanPereiraPorto_VCorr.pdf. Acesso em: 18 mar. 2020.

SIQUEIRA, S. A. A Inquisição portuguesa e a sociedade colonial. Coleção Ensaios, 56. São Paulo: Ática, 1978.

ZANON, D. A ação dos bispos e a orientação tridentina em São Paulo (1745-1796). 1999. Dissertação (Mestrado em História) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas. Disponível em: http://bit.do/faYDW. Acesso em: 28 set. 2019.




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v49i1.2716

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)