Nomes para a “calçada” no centro-oeste do Brasil: um estudo geolinguístico

Luciene Gomes Freitas Marins

Resumo


Este trabalho analisa aspectos relacionados à interpenetração do falar rural e urbano na norma lexical de habitantes da Região Centro-Oeste, buscando identificar interferências de aspectos extralinguísticos e espaciais na forma de nomear um mesmo elemento da realidade. Foram analisados seis itens lexicais fornecidos como respostas para o seguinte conceito: “na cidade, os automóveis andam no meio da rua e as pessoas nos dois lados, num caminho revestido de lajes ou ladrilhos. Como se chama este caminho”, questão 196 do Questionário Semântico Lexical (QSL) do Projeto Atlas Linguístico do Brasil (Projeto ALiB), vinculada à área semântica vida urbana. Os dados foram recolhidos de entrevistas realizadas em 24 localidades com 108 informantes do seguinte perfil: faixa etária I (18 a 30 anos) e faixa etária II (50 a 65 anos), sexos masculino e feminino, com ensino fundamental e superior, nas capitais, e ensino fundamental (interior). Os dados foram divididos entre três grupos: (a) denominações específicas do conceito em questão: calçada e passeio; (b) denominações genéricas: passarela, beirada e lateral (c) denominações de outros conceitos: acostamento.


Palavras-chave


variação lexical; região Centro-Oeste; Projeto ALiB

Texto completo:

PDF

Referências


AJARA, C. População. In: Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, Geografia do Brasil – Região Centro-Oeste. v. 1. Rio de Janeiro: IBGE, 1988. p. 123-148.

BLUTEAU, R. Vocabulário Portuguez & Latino. Coimbra: Colégio das Artes da Companhia de Jesus, 1712-1728. (Acervos on-line). Disponível em: . Acesso em: 03 ago. 2015.

COMITÊ NACIONAL DO PROJETO ALiB. Atlas Linguístico do Brasil: Questionário 2001. Londrina: EDUEL, 2001.

DUARTE, A. C. O Centro-Oeste na organização regional do Brasil. In: Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, Geografia do Brasil – Região Centro-Oeste. v. 1. Rio de Janeiro: IBGE, 1988. p. 15-20; 244-267.

FERREIRA, A. B. de H. Novo Dicionário Eletrônico Aurélio da Língua Portuguesa. 3. ed. Curitiba: Positivo, 2004. Versão 5.0.

HOUAISS, A. Dicionário Eletrônico Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

INNOCENCIO, N. R. Hidrografia. In: Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Geografia do Brasil – Região Centro-Oeste. v. 1. Rio de Janeiro: IBGE, 1988. p. 73-90.

MARINS, L. G. F. O rural e o urbano: novos e velhos falares na região Centro-Oeste do Brasil. 2012. 310 f. Dissertação (Mestrado em Estudos de Linguagem) – Universidade Federal do Mato Grosso do Sul, Campo Grande, 2012.

MARTINS, M. S. C. Entre palavras e coisas. São Paulo: Editora da UNESP, 2002

SILVA, A. de M. Diccionário da Lingua Portugueza – Lisboa: Tipographia Lacéridina, Tomos I e II. 1813. Disponível em: . Acesso em: 10 ago. 2015.

SAPIR, E. Linguística como ciência: ensaios. Rio de Janeiro: Livraria Acadêmica, 1961. (Coleção Filologia e Linguística).

_______. Linguística como Ciência. Tradução de Joaquim Mattoso Câmara Júnior. Rio de Janeiro: Livraria Acadêmica, 1969. p. 8-62.




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v46i1.1705

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)