Os estudos da linguagem na Idade Média: as ideias sobre sintaxe do Tratado sobre os modos de significar ou gramática especulativa, de Tomás de Erfurt

Alessandro Jocelito Beccari

Resumo


O Tratado sobre os modos de significar ou gramática especulativa de Tomás de Erfurt é o texto gramatical mais completo do movimento modista (1250-1350) e a sistematização mais representativa das ideias desse movimento (BURSILL-HALL, 1971; 1972). Trata-se de um manual que seleciona e organiza boa parte do acervo das ideias originais e amadurecidas das primeiras duas gerações desse movimento (MURRAY, 1998). As teorias propostas no Tratado sobre os modos de significar revelam esforços consideráveis de teorização e originalidade. Por exemplo, com o intuito de oferecer uma explicação adequada da frase latina, Tomás de Erfurt faz uma analogia com a teoria do móvel da física aristotélica, utiliza a noção metafísica representada por dicotomias como “substância-acidente” e “primeiro-segundo”, e emprega a ideia de alteridade (quod est alterum) da lógica de Aristóteles (ca. 384-322 a.C.). Faz, assim, uma série de inovações com base em conceitos advindos da Antiguidade Tardia e Alta Idade Média. Este artigo procura demonstrar que as teorias de Tomás de Erfurt não só representam um momento de continuidade (ALTMAN, 2004) ou período de ciência normal (KUHN,2006), mas também apresentam contribuições originais para a historiografia dos estudos sobre a noção de dependência sintática e possuem uma visão pragmática da linguagem que complementa sua compreensão da sintaxe (COVINGTON, 1984; ROSIER-CATACH, 1997).


Palavras-chave


historiografia linguística; idade média; gramática; Tomás de Erfur

Texto completo:

PDF

Referências


ANSELMO. O gramático. In: NUNES, R. A. da C. (Tradução). Os pensadores: Santo Anselmo de Cantuária: Monológio, Proslógio, A Verdade, O gramático; Pedro Abelardo: lógica para principiantes, história das minhas calamidades. São Paulo: Abril, 1979. p. 172-197.

ARISTÓTELES. Metafísica. In: YEBRA, V. G. (Ed.). Metafísica de Aristóteles. Madrid: Gredos, 1970.

______. Órganon: Categorias, Da interpretação, Analíticos anteriores, Analíticos posteriores, Tópicos, Refutações sofísticas. Tradução de Edson Bini. 2. ed. São Paulo: Edipro, 2010.

ALTMAN, C. A pesquisa lingüística no Brasil (1968-1988). São Paulo: Humanitas, 2004.

BORGES NETO, J.; DASCAL, M. De que trata a lingüística afinal? In: BORGES NETO, J. Ensaios de filosofia da lingüística. São Paulo: Parábola, 2004. p. 31-65.

BURSILL-HALL, G. L. Speculative grammars in the High Middle Ages: the doctrine of the partes orationis of the modistae. The Hague-Paris: Mouton, 1971.

______. Grammatica speculativa of Thomas of Erfurt. London: Longman, 1972.

BURSILL-HALL, G. L. Linguistics in the Later Middle Ages. In: BURSILL-HALL, G. Concise history of the language sciences: from the Sumerians to the cognitivists. Cambridge University Press: Cambridge, 1995. p. 130-137.

CARONE, F. de B. Morfossintaxe. São Paulo: Ática, 2006.

COELHO, O.; HACKEROTT, M. M. S. Historiografia Linguística. In: GONÇALVES, A. V.; GÓIS, M. L. de S. Ciências da linguagem: o fazer científico? v. 1. São Paulo: Mercado das Letras, 2012. p. 381-407.

COVINGTON, M. A. Syntactic theory in the high middle ages. Cambridge: Cambridge University Press, 1984.

DE LIBERA, A. A filosofia medieval. São Paulo: Loyola, 1998.

DUNS SCOTUS, J. Opus Oxoniense. In: NASCIMENTO, C. A. do. (Tradução). Os pensadores: Tomás de Aquino, Dante, Duns Scot, Ockham: seleção de textos. São Paulo: Abril, 1979. p. 239-344.

JESPERSEN, O. The philosophy of grammar. London: George Allen & Unwin Ltda, 1951 [1924].

KUHN, T. S. A estrutura das revoluções científicas. Tradução de Beatriz Viana Boeira e Nelson Boeira. 9. ed. São Paulo: Perspectiva, 2006.

MURRAY, S. O. Theory groups in science. In: Theory groups and the study of language in north America: a social history. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins Publishing Company, 1998. v. 69. p. 1-26.

PRISCIANO. Institutiones grammaticae. In: KEIL, H.; HERTZ, M. (Ed.). Grammatici Latini: Prisciani institutionum grammaticarum libri i-xviii. Leipzig: Teubner, 1855.

ROSIER, I. La grammaire spéculative des modistes. Lille: Presses Universitaires, 1983.

ROSIER-CATACH, I. Roger Bacon and grammar. In: HACKETT, J. (Ed.). Roger Bacon and the sciences: commemorative essays. New York: Brill, 1997. p. 67-102.

SWIGGERS, P. Modelos, métodos y problemas en la historiografía de la lingüística. In: NUEVAS APORTACIONES A LA HISTORIOGRAFÍA LINGÜÍSTICA, 4: 2003, La Laguna. Actas... La Laguna: ARCO/LIBROS, S. L., 2004. p. 113-45.

TESNIÈRE, L. Éléments de syntaxe stucturale. Paris: Librarie C. Klincksieck, 1965 [1959].

TOMÁS DE ERFURT. Tratado sobre os modos de significar ou gramática especulativa. In: BECCARI, A. J. Uma tradução da grammatica speculativa, de Tomás de Erfurt, para o português: acompanhada de um estudo introdutório, notas e glossário, 2013. 500 f. Tese (Doutorado em Letras) – Setor de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2013.




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v46i1.1715

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)