Debate sobre a noção de planos da linguagem na semiótica discursiva contemporânea

Carolina Mazzaron de Castro

Resumo


Neste trabalho, pretendemos propor uma discussão teórica sobre a noção de planos da linguagem na semiótica discursiva contemporânea. Utilizaremos como metodologia de análise aspectos teóricos da Historiografia Linguística, empreendida por pesquisadores como E. F. K. Koerner, P. Swiggers e C. Altman, para que haja um cotejo mais preciso do material que pretendemos apresentar. O córpus será composto dos estudos de autores que despontaram análises no âmbito da semiótica visual ou plástica, sendo eles: Lindekens, Floch e Thürlemann. Pressupomos que as análises apresentadas na contemporaneidade por Jacques Fontanille, Maria Giulia Dondero e Everardo Reyes-Garcia arrolam os debates empreendidos por Lindekens, Floch e Thürlemann e articulam os conceitos de substâncias e de formas do conteúdo e da expressão nas discussões contemporâneas, motivando o debate sobre a noção de planos da linguagem, principalmente ao desprender o plano da expressão do modelo teórico-metodológico até então consagrado na teoria.

Palavras-chave


conteúdo; expressão; Historiografia Semiótica; Semiótica discursiva

Texto completo:

PDF

Referências


ALTMAN, C. A pesquisa linguística no Brasil (1968-1988). São Paulo: Humanitas, 1998.

BARROS, D. L. P. Teoria semiótica do texto. 4. ed. São Paulo: Ática, 2001.

BERTRAND, D. Caminhos da semiótica literária. Bauru: EDUSC, 2003.

DONDERO, M. G.; GARCIA, E. R. Les supports des images: de la photographie à l’image numérique. Revue française des sciences de l’information et de la communication, 2016. Disponível em: https://journals.openedition.org/rfsic/2124?lang=en#tocfrom1n2. Acesso: 30 nov. 2017.

DORRA, R. Perspectiva da semiótica. In: GREIMAS, A. J. Da imperfeição. Tradução Ana Cláudia Oliveira. São Paulo: Hacker Editores, 2002.

FIORIN, J. L. Sendas e veredas da semiótica narrativa e discursiva. DELTA, Revista de Documentação de Estudos em Lingüística Teórica e Aplicada, São Paulo, v. 15, n. 1,

p. 1-13, 1999.

FIORIN, J. L. Elementos de análise do discurso. São Paulo: Contexto, 2002.

FLOCH, J. M. Petites mythologies de l’œil et de l’esprit. Pour une sémiotique plastique. Paris: Hadès-Benjamins, 1985.

FLOCH, J. M. A contribuição da semiótica estrutural para o design de um hipermercado. Galaxia, São Paulo, n. 27, p. 21-47, jun. 2014 [1987].

FONTANILLE, J. Du support matériel au support formel. In: ARABYAN, M.; KLOCK-FONTANILLE, I. (ed.). L’Écriture entre support et surface. Paris: L’Harmattan, 2005. p.183-200.

FONTANILLE, J. Pratiques sémiotiques. Paris: PUF, 2008.

GREIMAS, A. J. Semântica estrutural: pesquisa de método. 2. ed. São Paulo: Cultrix/ Universidade de São Paulo, 1976 [1966].

GREIMAS, A. J. Sobre o sentido – ensaios semióticos. Petrópolis: Vozes, 1975 [1970].

GREIMAS, A. J. (org.). Ensaios de semiótica poética. São Paulo: Cultrix, 1975b [1972].

GREIMAS, A. J. Semiótica figurativa e semiótica plástica. In: OLIVEIRA, A. C. de (org.). Semiótica plástica. Tradução Assis Silva. São Paulo: Hacker Editores, 2004 [1984].

p. 75-96.

GREIMAS, A. J.; COURTÉS, J. Dicionário de Semiótica. São Paulo: Contexto, 2012 [1979].

HJELMSLEV, L. Prolegômenos a uma teoria da linguagem. São Paulo: Perspectiva, 2006 [1943].

KOERNER, K. Questões que persistem em Historiografia Linguística. Revista da ANPOLL, n. 2, p. 45-70, 1996.

LINDEKENS, R. Eléments pour une sémiotique de la photographie. Paris: Didier, 1971 [1968].

LINDEKENS, R. Imagens pornográficas e imagens de arte – abordagem de uma teoria de uma substância da imagem. Revista Caligrama, v. 1, n. 3, [não paginado], 2005 [1975]. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/caligrama/article/view/56699/59728. Acesso em: 05 nov. 2017.

LINDEKENS, R. Aprroche d`une théorie de la substance sémiotique de l’image. Revista Significação, n. 2, p. 5-26, 1975. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/significacao/issue/view/7017. Acesso em: 03 mar. 2018.

LOPES, I. C. Entre expressão e conteúdo: movimentos de expansão e condensação. Itinerários, n. esp., p. 65-75, 2003.

PORTELA, J. C. Semiótica midiática e níveis de pertinência. In: DINIZ, M. L. V. P.; PORTELA, J. C. (org.). Semiótica e Mídia: textos, práticas, estratégias. Bauru: UNESP/FAAC, 2008.

p. 93-113.

MENDES, C. M. Modalizações do fazer no episódio “Hino Nacional”, do seriado Black Mirror. Revista Significação, São Paulo, v. 44, n. 48, p. 32-52, jul./dez. 2017.

SAUSSURE, F. Curso de linguística geral. 27. ed. São Paulo: Cultrix, 2006 [1913].

SWIGGERS, P. Modelos, Métodos y Problemas en la historiografia de la linguística. Nuevas Aportaciones a la historiografía linguística. Actas del IV Congresso Internacional de la SEHL, La Laguna (Tenerife), 22 al 25 de octubre de 2003, p. 113-146, 2004.

SWIGGERS, P. La historiografia de la lingüística: apuntes y reflexiones. Revista argentina de historiografia linguística, v. I, n. 1, p. 67-76, 2009.

SWIGGERS, P. Historiografia da linguística: objeto, metodologia, modelização. Todas as Letras, São Paulo, v. 14, n. 1, p. 38-53, 2012.

TATIT, L. Musicando a semiótica: ensaios. 2. ed. São Paulo: Annablume, 2011.

THÜRLEMANN, F. Paul Klee. Analyse sémiotique de trois peintures. Lausanne: L’Age de l’homme, 1982.

THÜRLEMANN, F. Semi-symbolique (system, langage, code). In: GREIMAS, A. J.; COURTÉS, J. Sémiotique: Dictionnaire Raisonné de la Theorie du Langage. Tome II. Paris: Hachette, 1986. p. 203-204.

THÜRLEMANN, F. Verbetes “Cromática”, “Eidética”, “Topológica” (categorias). In: GREIMAS, A. J.; COURTÉS, J. Sémiotique: Dictionnaire Raisonné de la Theorie du Langage. Tome II. Madrid: Editorial Gredos, 1991 [1989].




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v48i1.2190

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)