A questão terminológica dos organofosforados na química de pesticidas: uma abordagem baseada em corpus

José Victor de Souza

Resumo


Neste artigo é discutida a problemática terminológica da Química de Pesticidas, levantando-se a questão da falta de consenso nas traduções, do inglês para o português, de alguns nomes de compostos químicos e de termos técnicos, e como esta questão pode prejudicar a tradução e produção de textos científicos quanto a sua aceitabilidade e naturalidade. A partir dessa premissa, é proposta uma investigação terminológica da área, com a intenção de compreender melhor como funcionam os termos dentro de seu domínio, em ambas as línguas, e identificar possíveis problemas de equivalência. Com a abordagem teórico-metodológica da Linguística de Corpus, termos foram selecionados de um corpus bilíngue de especialidade, criado para esta finalidade, sendo seus significados analisados diante do contexto. Como resultados imediatos, as inconsistências conceituais entre os termos organophosphate e organophosphorus utilizados em inglês e os seus respectivos equivalentes em português foram observadas e estudadas. 


Palavras-chave


terminologia; tradução, Química de Pesticidas; organofosforados; organofosfatos

Texto completo:

PDF

Referências


ABAKERLI, R. B. et al. Regras para nomenclatura dos nomes comuns dos agrotóxicos. Pesticidas. Revista de Ecotoxicologia e Meio Ambiente, v. 13. p. 29-36, jan./dez. 2003.

BAGNO, M. Gramática Pedagógica do Português Brasileiro. São Paulo: Parábola, 2011.

BAIRD, C.; CANN, M. Química Ambiental. Tradução Marco Tadeu Grassi et al. 4. ed. Porto Alegre: Bookman, 2011.

BAIRD, C.; CANN, M. Environmental Chemistry. 4. ed. Nova Iorque: W. H. Freeman & Company, 2008.

BERBER SARDINHA, T. Linguística de Corpus: histórico e problemática. DELTA, São Paulo, v. 16, n. 2, p. 323-367, 2000. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-44502000000200005&lng=en&nrm=is. Acesso em: 18 fev. 2017.

BEVILACQUA, C. Por que e para que a Linguística de Corpus na Terminologia. In: TAGNIN, S. E. O.; BEVILACQUA, C. (org.). Corpora na terminologia. São Paulo: Hub Editorial, 2013.

p. 11-27.

GRIZA, F. T. et al. Avaliação da contaminação por organofosforados em águas superficiais no município de Rondinha – Rio Grande do Sul. Quím. Nova, São Paulo,

v. 31, n. 7, p. 1631-1635, 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-40422008000700006&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 18 fev. 2017.

KRIEGER, M. G.; FINATTO, M. J. B. Introdução à Terminologia: teoria e prática. São Paulo: Contexto, 2004.

KRIEGER, M. G; SANTIAGO, M. S. Estudos de terminologia para a tradução técnica. Rev. de Letras, n. 33, v. 2, p. 42-52, jul./dez. 2014. Disponível em: http://www.periodicos.ufc.br/revletras/article/view/20447. Acesso em: 12 fev. 2018.

LONGO, B. N. O.; HÖFLING, C.; SAAD, J. C. Os nomes em função adjetiva não predicativa: contrastes. Alfa, São Paulo, n. 41, p. 91-107, 1997. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/107753/ISSN1981-5794-1997-41-91-107.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 12 fev. 2018.

LOPES, R. M. et al. Aprendizagem baseada em problemas: uma experiência no ensino de química toxicológica. Quím. Nova, São Paulo, v. 34, n. 7, p. 1275-1280, 2011. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-40422011000700029&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 18 fev. 2017.

MANAHAN, S. E. Environmental Chemistry. Boca Raton: CRC Press LLC, 2000.

OHKAWA, H. et al. (ed.). Pesticide chemistry: crop protection, public health, environmental safety. Weinheim: WILEY-VCH Verlag GmbH & Co. KGaA, 2007.

OLIVEIRA, L. H. M.; MÜLLER, A. F. A terminologia e a utilização de ferramentas computacionais de análise de corpus. In: TAGNIN, S. E. O.; BEVILACQUA, C. (org.). Corpora na terminologia. São Paulo: Hub Editorial, 2013. p. 47-61.

PAIVA, P. T. P. Estudo em corpora de traduções e três glossários bilíngues nas subáreas de anestesiologia, cardiologia e ortopedia. 2006. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) – Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, 2006. Disponível em: http://hdl.handle.net/11449/93900. Acesso em: 06 abr. 2017.

PAIVA, P. T. P. Uma investigação de traduções de textos da área médica sob a luz dos estudos da tradução baseados em corpus. 2009. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos) – Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, 2009. Disponível em: http://hdl.handle.net/11449/103507. Acesso em: 06 abr. 2017.

PINTO, P. T.; LIMA, M. F. A tradução na área de química orgânica: da adaptação à tradução literal. Estudos linguísticos, São Paulo, v. 47, p. 573-585, 2018. Disponível em: https://revistas.gel.org.br/estudos-linguisticos/article/view/2050. Acesso em: 22 ago. 2019.

TAGNIN, S. E. O. Fraseologia especializada para tradutores: glossários direcionados pelo corpus. In: ORTIZ, M. L. (org.). Tendências atuais na pesquisa descritiva e aplicada em fraseologia e paremiologia. v. 1. Campinas: Pontes, 2012. p. 333-344.

TIMBANE, A. A. A variação terminológica dos termos de futebol moçambicano. In: MURAKAWA, C. A. A.; NADIN, O. L. (org.). Terminologia: uma ciência interdisciplinar. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2013. p. 145-165.




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v48i3.2270

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)