Discurso e ensino: diretrizes para conceber novos significados para a escola na contemporaneidade

Cecilia Maria Aldigueri Goulart

Resumo


A escola é o espaço público, coletivo, em que aprendemos sobre o mundo e sobre a ação dos homens no mundo. Espaço de aprendizagem da história do ser humano e de seus conhecimentos e, ao mesmo tempo, de criação de novos conhecimentos e novas possibilidades de vida. O objetivo do ensaio é apresentar diretrizes de uma concepção discursiva de trabalho escolar, pressupondo que todo professor é professor de linguagem. Com base na teoria da enunciação do Círculo de Bakhtin, serão focalizados, ainda que brevemente, dados sobre o trabalho com a oralidade, a leitura e a escrita, na educação infantil, no processo de alfabetização e nas áreas de ensino de História, Física e Ciências, em que alunos estão aprofundando conhecimentos sobre o universo letrado. É o viés discursivo que atravessa e encorpa toda a proposta de trabalho.


Palavras-chave


ensino; concepção discursiva; linguagens sociais; Bakhtin

Texto completo:

PDF

Referências


BAKHTIN, M. (V. N. Voloshinov). Marxismo e filosofia da linguagem. Tradução Michel Lahud e Yara Frateschi Vieira. 4. ed. São Paulo: Hucitec, 1988.

BAKHTIN, M. Questões de literatura e de estética. A teoria do romance. Tradução Aurora Fornoni, José Pereira Jr et alii. 4. ed. São Paulo: UNESP: Hucitec, 1998 [Original russo, 1924].

BAKHTIN, M. Problemas da Poética de Dostoievski. Tradução Paulo Bezerra. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2002 [Original russo, 1929].

BAKHTIN, M. Problemas da poética de Dostoievski. Tradução Paulo Bezerra. 3. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2005.

BAKHTIN, M. O homem ao espelho. Apontamentos dos anos 1940. São Carlos: Pedro & João Editores, 2019.

CHARRET, H. da C. Física em verso e prosa: a voz dos alunos sobre a física escolar através de redações. 2009. Dissertação (Mestrado em Educação) – Instituto de Letras, Universidade Federal Fluminense, 2009.

FRANCHI, C. Criatividade e Gramática. Trabalhos em Linguística Aplicada, 9. Campinas: UNICAMP, 1987. p. 5-45.

GOULART, C. M. A. Perspectivas de alfabetização: lições da pesquisa e da prática pedagógica. Revista Raido, Dourados: Universidade Federal da Grande Dourados, v. 8, n. 16, p. 157-175, jul./dez. 2014.

GOULART, C. M. A. Alfabetização, discurso científico e argumentação. In: LEITÃO, S.; DAMIANOVIC, M. C. Argumentação na escola: o conhecimento em construção. São Paulo: Pontes, 2011. p. 129-151.

GOULART, C. M. A. Processos escolares de ensino e aprendizagem, argumentação e linguagens sociais. Revista Bakhtiniana, São Paulo, v. 1, n. 4, p. 50-62, 2º sem. 2010.

GOULART, C. M. A. Em busca de balizadores para a análise de interações discursivas com base em Bakhtin. Revista de Educação Pública, Cuiabá: Editora da UFMT, v. 18, n. 36, p. 15-31, jan./abr. 2009.

GOULART, C. M. A. Enunciar e argumentar: analisando um episódio de uma aula de História com base em Bakhtin. Pro-posições, v. 18, n. 3 (54), p. 93-107, set./dez. 2007.

GOULART, C. M. A. Linguagens sociais e argumentação: investigando modos de letrar e ser letrado. Apresentado no Seminário Dialogismo Bakhtiniano: interlocuções com a linguística, a psicologia e a educação, Curso de Pós-Graduação em Psicologia, Núcleo de Pesquisa em Argumentação, UFPE, junho de 2005.

GOULART, C. M. A. et alii. Processos de letramento na infância: modos de letrar e ser letrado na família e no espaço educativo formal. 2005. Relatório final de pesquisa. Universidade Federal Fluminense, Faculdade de Educação, CNPq, dezembro de 2005.

GOULART, C., GONTIJO, C. M. M.; FERREIRA, N. S. de A. (org.). A alfabetização como processo discursivo: 30 anos de “A criança na fase inicial da escrita”. São Paulo: Cortez, 2017.

INAF Brasil 2018. Indicador de alfabetismo funcional. Principais resultados. Relatório. Instituto Paulo Montenegro; Ação Educativa; IBOPE Inteligência, São Paulo/SP, 2018.

KONDER, L. Walter Benjamin: o marxismo da melancolia. São Paulo: Campus, 1988.

MACHADO, I. A questão espaço-temporal em Bakhtin: cronotopia e exotopia. In: PAULA, L.; STAFUZZA, G. (org.). O círculo de Bakhtin: teoria inclassificável. Campinas: Mercado das Letras, 2010. p. 203-234.

MOYSÉS, S. A. Alfabetização: Estratégia do código ou confronto da história? Educação e Sociedade, São Paulo, n. 22, p. 84-92, set./dez. 1985.

NERUDA, P. Livro das perguntas. Tradução Ferreira Gullar. Ilustração Isidro Ferrer. Rio de Janeiro: Cosac Naify. 2008.

PACHECO, C. M. G. Um estudo exploratório de aspectos do processo de produção de textos escritos por crianças de 7 anos. 1992. Dissertação (Mestrado em Letras) – Pontifícia Universidade Católica, Rio de Janeiro, 1992.

PACHECO, C. M. G. Era uma vez três cabritinhos: a gênese do processo de produção de textos escritos. 1997. Tese (Doutorado em Letras) - Pontifícia Universidade Católica, Rio de Janeiro, 1997.

PONZIO, A. Dialogando sobre diálogo na perspectiva bakhtiniana. São Carlos: Pedro & João Editores, 2012.

POSSENTI, S. Enunciação, autoria e Estilo. Revista Brasileira da FAEEBA, Salvador, nº 15, p. 15-21, jan./jun. 2001.

ROCHA, H. A. B. O lugar da linguagem no ensino de história: entre a oralidade e a escrita. 2006. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2006.

RODRIGUES, N. Flor de Obsessão: as 1000 melhores frases de Nelson Rodrigues. Organização e seleção Ruy Castro. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

SALOMÃO, M. M. M. A questão da construção do sentido e a revisão da agenda dos estudos da linguagem. Veredas: Revista de estudos linguísticos, Juiz de Fora, v. 3, n. 1, p. 61-79, 2009.

SANTOS, A. P. Linguagem, gêneros do discurso e práticas pedagógicas: a organização dos textos escritos de alunos dos anos iniciais do ensino fundamental. 2015. Tese (Doutorado em Educação) – Instituto de Letras, Universidade Federal Fluminense, 2015.

SARDA, A.; SANMARTI, N. Enseñar a argumentar cientificamente. Un reto de las clases de ciencias. Enseñanza de las Ciencias, p. 405-422, 2003.

SAVIANI, D. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. 8. ed. Campinas: Autores Associados, 2003.

SMOLKA, A. L. B. A criança na fase inicial da escrita: a alfabetização como processo discursivo. São Paulo: Cortez; Campinas: Editora da Universidade de Campinas, 1988.

SMOLKA, A. L. B. Da alfabetização como processo discursivo: os espaços de elaboração nas relações de ensino. In: GOULART, C., GONTIJO, C. M. M.; FERREIRA, N. S. de A. (org.). A alfabetização como processo discursivo: 30 anos de “A criança na fase inicial da escrita”. São Paulo: Cortez, 2017. p. 23-46.

SMOLKA, A. L. B. et al. Leitura e desenvolvimento da linguagem. São Paulo: Global; Campinas: ALB – Associação de Leitura do Brasil, 2010.

VIGOTSKI, L. S. Obras escogídas. v. IV. Madrid: Visor, 1996.




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v49i1.2784

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)