Entoação e ensino de língua

Maíra Sueco Maegava Córdula

Resumo


O presente trabalho tem por objetivo discutir o lugar da entoação no ensino de português como língua materna, considerando o papel deste elemento prosódico na produção de sentidos do texto oral. Para tanto, discute-se o que é entoação e abordagens de análise desse elemento prosódico em duas vertentes principais: abordagem sistêmico-funcional e abordagem da Fonologia Entoacional Autossegmental-Métrica. Também é realizada uma discussão teórica da relação entre a entoação e o ensino de português, a partir do estudo de documentos de cunho oficial, como os PCN e o PNLD, além de literatura especializada na área. Diante das funções linguísticas da entoação, faz-se necessário desenvolver mais estudos que problematizem a relação entre a descrição e o ensino da variação melódica da fala e sistematizem o tratamento pedagógico a ser dado ao tema.


Palavras-chave


entoação; ensino de língua; língua materna; oralidade; ensino fundamental

Texto completo:

PDF

Referências


BOLINGER, D. A theory of pitch accent in English. Word, New York, v. 14, n. 2-3, p. 109-149, ago./dez. 1958.

BRASIL. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica. Guia do Livro Didático: PNLD 2014: língua portuguesa: ensino fundamental: anos finais. Brasília: MEC/SEB, 2013. 120 p. Disponível em: . Acesso em: 04 out. 2015. 119 p.

BRASIL. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: língua portuguesa. Brasília: MEC/SEF, 1998. 106 p.

CAGLIARI, L. C. Prosódia: algumas funções dos supra-segmentos. Cadernos de Estudos Linguísticos. Campinas, n. 23, jul./dez. 1992. Disponível em: . Acesso em: 20 ago. 2015. p. 137-151.

CAGLIARI, L. C. Elementos de fonética do Português Brasileiro. São Paulo: Paulistana, 2007. 194 p.

CÓRDULA, M. S. M. Entoação e sentidos: análise fonético-fonológica dos padrões entoacionais do português brasileiro e do inglês norte-americano no filme Shrek (2001). São Paulo: Cultura acadêmica, 2013. Disponível em: . Acesso em: 04 out. 2015. 296 p. E-book.

COUPER-KUHLEN, E. An introduction to English prosody. London: Edward Arnold, 1986. 224 p.

HALLIDAY, M. A. K. The tones of English. In: ______. Studies in English Language. Editado por: Jonathan J. Webster. London: Continuum, 2005. v. 7, cap. 8, p. 237-263. (Collected works of M. A. K. Halliday).

HALLIDAY, M. A. K. A course in spoken English: Intonation. London: Oxford University Press, 1970. 142 p.

HALLIDAY, M. A. K.; GREAVES, W. S. Intonation in the grammar of English. London: Equinox Publishing Ltd., 2008. 224 p.

LADD, D. R. Intonational Phonology. 2. ed. New York: Cambridge University Press, 2008. (Cambridge Studies in Linguistics, 79). E-book.

LADEFOGED, P. A course in phonetics. 5. ed. Boston, MA: Thomson Wadsworth, 2006. 310 p.

LAVER, J. Principles of phonetics. Cambridge: Cambridge University Press, 1994. 736 p.

LEHISTE, I. Suprasegmentals. Cambridge, MA: The MIT Press, 1970. 194 p.

LIBERMAN, M. Y. The intonation system of English. 1975. 319 f. Thesis (Doctor of Philosophy) – Massachussets Institute of Technology, Boston, 1975.

MARCUSCHI, L. A. Oralidade e ensino de língua: uma questão pouco falada. In: DIONÍSIO, A. P.; BEZERRA, M. A. (orgs.). O livro didático de português: múltiplos olhares. 3. ed. Rio de Janeiro: Lucerna, 2005. p. 21-34.

MASSINI-CAGLIARI, G.; CAGLIARI, L. C. Fonética. In: MUSSALIM, F.; BENTES, A. C. (Org.). Introdução à Linguística: domínios e fronteiras. 6. ed. São Paulo: Cortez, 2006. v. 1, cap. 3, p.106-146.

O’ CONNOR, J. D.; ARNOLD, G. F. Intonation of colloquial English: a practical handbook. London: Longman, 1961. 304 p.

PALMER, H. E. English intonation: with systematic exercises. Cambridge: Heffer, 1922. 134 p.

PIERREHUMBERT, J. B. The Phonology and phonetics of English intonation. 1980. Thesis (Doctor of Philosophy) – Harvard University, Harvard, 1980. 401 p.

PIKE, K. L. The intonation of American English. Ann Arbor: The University of Michigan Press, 1945. 200 p.




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v45i2.780

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)